Em Afonso Cláudio moto despenca de uma altura de 25 metros e por sorte não acaba em tragédia

Na tarde desta segunda-feira (12), na Rua José Valter, que dá acesso à Estação de Água da Cesan, no Bairro São Vicente, em Afonso Cláudio, dois homens escaparam por pouco de um acidente que poderia ter lhes tirado a vida. O motoqueiro passou sobre um paralelepípedo que estava desgarrado, acabou perdendo o controle da direção e a motocicleta caiu de uma ribanceira de 25 metros.

O condutor da motocicleta é Gabriel Eller, 27, que descia a rua, sentido São Vicente, levando de carona o amigo Joelson Tomé, 48. A motocicleta ficou parcialmente destruída e os dois amigos foram levados para o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), com ferimentos. Quando perderam o controle, eles conseguiram saltar da motocicleta e evitar uma possível tragédia. Também corre risco quem passa na Rua Felício Pereira de Souza, a 25 metros abaixo.

O motoqueiro ferido e moradores pediram nossa reportagem no local do acidente, a fim de cobrar providências. “Completei 48 anos ontem e hoje corri risco de morrer. A obra não foi concluída, mas um calçamento de qualidade e uma proteção de segurança aqui podem salvar vidas,” relatou o autônomo Joelson Tomé, ainda assustado com o acidente.

No local, onde uma comentada contenção de talude não foi concluída, não existe proteção e as chuvas danificaram o calçamento e causaram deslizamento de terra. Nem mesmo um Guard Raill foi feito às margens da rua para dar segurança a veículos e pedestre. Reconhecendo o grande risco, moradores cobram dos órgãos competentes, agilidade na conclusão da obra.

A obra teve início em 2015 e deveria ter sido entregue em outubro de 2016. Segundo funcionário da prefeitura Breno Caetano, inúmeras vezes convidado para falar sobre a obra em um programa da Rádio Educadora, preferiu as redes sociais. Ele afirmou que a empresa encerrou a construção por falta de dinheiro do Ministério de Integração Nacional.

A administração municipal, por meio de Breno Caetano, informou ainda que as obras serão retomadas ainda esse mês, com o término previsto para outubro de 2018. Até o momento o que se vê no local são entulhos, já que andarilhos queimaram o que havia sobrado da casa construída com madeirite para abrigar os trabalhadores. Enquanto isso, adultos, crianças e veículos continuam correndo risco de despencar lá de cima, como ocorreu hoje.