Guedes pede para TCU não retardar privatização da Eletrobras

Publicado em 16/12/2021 às 09:50

Compartilhe

109356


source
Paulo Guedes, ministro da Economia
Washington Costa/ASCOM ME

Paulo Guedes, ministro da Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (15) espesrar que seja resolvido rápido o  pedido de vista de um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) que adiou o processo de privatização da Eletrobras.

Mais cedo, o ministro Vital do Rêgo pediu mais tempo para estudar o caso. Com a decisão, as ações da companhia chegaram a cair mais de 10% pela manhã, mas recuperaram as perdas ao longo do dia.

Leia Também

A decisão foi mais um revés nos planos do governo federal de privatizar a estatal de energia no próximo ano. “O TCU pediu vista, o ministro quer dar uma olhada, tudo bem. A única coisa que eu peço é que a gente não retarde o processo”, afirmou Guedes, durante evento na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), no fim da tarde.

“O presidente foi eleito, falou em privatização, nós estamos andando, é natural que o ministro peça vista, que a gente atenda, perceba qual a dúvida dele, atenda, e acabou. Vamos seguir o jogo”, continuou.

Trata-se do segundo adiamento da análise da privatização pelo TCU, que deveria ter ocorrido incialmente na semana passada. A próxima sessão do TCU está marcada apenas para 19 de janeiro, mas ainda não está claro se o tema será levado à corte de contas nessa reunião.

Veja também

Palio-atinge-caminhonete-em-trevo-da-BR-262-e-foge-do-local-do-acidente

Pálio atinge caminhonete em trevo da BR-262 e foge do local do acidente

112964

EUA recomendam que população use “máscara mais protetora possível”

112962

Pitbull faz “birra” toda vez que escuta uma bronca

© José Cruz/Agência Brasil

Covid-19: Rio de Janeiro começa vacinação de crianças nesta segunda

112957

Covid-19: Áustria terá vacinação obrigatória a partir de fevereiro

© Alex Sandro/TV Brasil

Brasil recebe segunda remessa de vacina pediátrica da Pfizer

112953

Lira diz que Senado deve ser cobrado por nova alta de combustíveis

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Síndrome de Burnout é reconhecida como fenômeno ocupacional pela OMS