Taxa Selic: saiba por que os juros do país estão subindo tanto este ano

Publicado em 27/10/2021 às 18:50

Compartilhe

102388


source

A pluralidade dos analistas do mercado financeiro já espera que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central eleve ainda mais a taxa básica de juros (Selic) nesta quarta-feira (27). Logo, há estimativas de um aumento de 1,5, 2 e até 3 pontos percentuais, indo para 7,75%.

O risco fiscal e a alta do dólar, juntamente com a pressão da inflação no país, são fatores que devem impulsionar a decisão do Copom, estimulada pelo mercado.

Anseio dos analistas

A partir de uma análise realizada pela corretora BCG Liquidez, nesta terça-feira (27), 191 dos 264 entrevistados, ou seja, 72% deles, acreditam na alta de 1,5 ponto. Já o restante dos entrevistados, estimam um valor ainda maior, entre 1,75, 2 e 2,5 pontos percentuais.

Portanto, após a prévia da inflação deste mês ser divulgada, o levantamento apresentou outra marca histórica para este mês, elevando a alta em 12 meses para 10,3%.

Leia Também

Para Andrea Damico, economista-chefe da Armor Capital, o cenário apresentado na última semana impulsionou algumas alterações nas estimativas de muitos especialistas. Assim, a economista também modificou sua previsão para 1,5 ponto percentual.

Isto posto, Andrea defende que não se trata apenas dos gastos, seja de R$ 30 bilhões ou R$ 40 bilhões, mas sim a transformação no regime fiscal que gera incertezas frente ao futuro do país.

Alta na taxa Selic

Caso o Copom realmente aumente a taxa, como é aguardado pelo mercado, este será o maior aumento já realizado pelo Banco Central de uma só vez. Afinal, a última vez que isso ocorreu foi em 2003.

Leia Também

Desde então, as correções na taxa costumavam ser apenas entre 0,25, 0,5 ou 0,75 ponto. No entanto, d e março até aqui, a Selic subiu de 2%, o menor valor da história, para 6,25% em pouco tempo.

A propósito, a projeção para o IPCA deste mês, que anteriormente era de 0,77%, avançou para 1,06%. Logo, a projeção para este ano deixou de ser de 9,1% para 9,5%. Sendo assim, para 2022, é esperado algo em torno de 5,2%.

Portanto, aluguel, passagem aérea, hospedagem, cabeleireiro, entre outros, exibem reajustes de preços superiores ao aguardado pelo mercado.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

Veja também

© Washington Alves/COB/Direitos Reservados

Basquete: Brasil derrota Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Covid-19: ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países

© Felipe Oliveira/EC Bahia/Direitos Reservados

Brasileiro: Bahia derrota Grêmio por 3 a 1 e deixa Z4

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

© Fernando Brito/MS

Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

106933

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

106931

INSS: Normas temporárias para concessão de auxílio é constitucional, decide STF

106929

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022