Pacheco defende fundo de estabilização para combustíveis com lucro da Petrobras

Publicado em 18/11/2021 às 07:20

Compartilhe

105642


source
Rodrigo Pacheco e Silva e Luna
Reprodução Twitter

Rodrigo Pacheco e Silva e Luna

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, defendeu nesta quarta-feira (17) que o lucro da Petrobras seja revertido para um fundo de estabilização de preço dos combustíveis, mas defendeu a estatal e disse que a empresa “não pode ser enxovalhada”.

“O fato é que a Petrobras é uma empresa que pretende a todos os brasileiros, não pode ser desvalorizada, enxovalhada, ela tem que ser respeitada. Mas ao mesmo tempo tem que cumprir um pouco da sua função social, de dividendos muito substanciosos e substanciais que dá para a União. Esses dividendos poderem eventualmente ser revertidos para algum fundo de equalização que possa garantir um pouco mais de estabilidade nessa questão dos preços dos combustíveis”, afirmou o senador.

A declaração foi feita após reunião de Pacheco com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, quando debateram as soluções para as emendas de relator. Antes do encontro, o presidente do Senado esteve reunido com o presidente da Petrobras, Joaquim Luna e Silva, e outros diretores da estatal, para debaterem a alta nos preços dos combustíveis.

Leia Também

“Não tem cabimento um caminhoneiro sair do sul e levar uma carga para o nordeste e no meio do caminho dele ter tantas alterações no preço dos combustíveis. Isso gera uma imprevisibilidade no frete lamentável. Então estamos buscando solução”, disse Pacheco.

A defesa da Petrobras feita por Pacheco ocorre em meio a constantes críticas feitas à estatal pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em razão da alta dos preços. No último dia 8,Bolsonaro voltou a dizer que nem ele nem seu governo tem culpa pelo aumento dos combustível no país. Em conversa com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada, nesta segunda-feira, ele repetiu que o litro da gasolina sai a R$ 2,30 da Petrobras e que não é sua culpa o preço chegar a R$ 7 na bomba.

“Eu pergunto, né, não quero tirar a minha responsabilidade. O litro da gasolina está custando R$ 2,30 na refinaria e como é que pode chegar a R$ 7 na ponta da linha? Pode diminuir na Petrobras? Pode. Até porque os dividendos são, no meu entender, absurdos: R$ 31 bilhões em três meses. Não quero a parte da União desse lucro fantástico. Até porque não vai muita coisa. Vai lá para o social. E o melhor social é baratear o preço da gasolina”, disse Bolsonaro, em uma entrevista dada à TV Jovem Pan.

O presidente tem culpado os governadores pelo aumento do combustível e dito que a cobrança do ICMS nos estados é a responsável por elevar o litro da gasolina. Os governadores já divulgaram nota afirmando se tratar de um “problema nacional”.

Veja também

© Pedro Souza/Atlético/Direitos Reservados

Já campeão, Atlético-MG recebe Bragantino em reencontro com torcida

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia