Greve nas universidades federais ganha força e está prestes a completar um mês

Publicado em 27/04/2024 às 09:43

Compartilhe

brasil-27-04-Reproducao-Instagram-greve

Foto: Reprodução/Instagram

A greve de professores e servidores de universidades federais e de institutos federais  está prestes a completar um mês e vem ganhando cada vez mais força. Na próxima semana, mais 9 universidades devem aderir à paralisação, entre elas a Unifesp , em São Paulo, e UFBA , na Bahia.

Até o momento, segundo o  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) , ao menos 687 campi estão parados em todo o Brasil. Entenda o cenário abaixo. 

Quando começou a greve

Os professores iniciaram a paralisação em 2 de abril, mas a greve do grupo ganhou força mesmo a partir do dia 15.  A dos servidores técnico-administrativos começou no dia 18 de março. A expectativa é que profissionais de outras universidades e institutos cruzem os braços nos próximos dias. 

Motivo do protesto

Os profissionais pedem que o governo se comprometa com um aumento salarial de 7,06% em 2024, 2025 e em 2026. Além disso, os manifestantes exigem melhora nas condições de trabalho, um melhor plano de carreira e um “revogaço” de decretos dos últimos governos.

Os servidores também querem a recomposição do orçamento de investimento na rede federal de ensino — em 2023, o governo Lula aumentou o aporte em relação a 2022. Neste ano, porém, a verba diminuiu. As instituições dizem que precisam de R$ 2,5 bilhões a mais nas contas para fecharem o ano.

Proposta do governo

Em meio ao crescimento do movimento, o governo decidiu fazer uma proposta para atender a categoria. A oferta oferecida foi de um reajuste de 9% em 2025 e de 3,5% em 2026. Para este ano, a categoria continuaria com o mesmo salário. 

Revolta

Os sindicatos da categoria reprovaram a proposta do governo, classificando a oferta como “decepcionante” e “ofensiva”. “A educação é dita nos discursos do governo como algo que é prioridade, mas colocam muitas dificuldades para atender nossas reivindicações”, declarou Davi Lobão, coordenador nacional do Sinasefe, em entrevista ao UOL . 

Lula promete dialogar

No início desta semana, o presidente Lula (PT) afirmou que entende a manifestação, mas declarou que não conseguirá atender a todos os pedidos. “O pessoal estava muito, muito, muito reprimido, eles não faziam greve há muito tempo, não tinha aumento de salário há muito tempo. Nós estamos preparando aumento de salário para todas as carreiras e vão ter aumento”, disse

“Nem sempre é tudo que a pessoa pede. Muitas vezes é aquilo que a gente pode dar. E nós vamos negociar com todas as categorias. Eu quero até aproveitar para dizer que ninguém será punido nesse país por fazer uma greve”, acrescentou. 

Fonte: Portal IG

Veja também

mundo-13-06-ft-reproducao-internet

Ferida no Líbano diz ter deixado o Brasil após agressão do marido

politica-13-06-Alex-Ferreira-Camara-dos-Deputados

PL que iguala aborto a homicídio tem 78% de rejeição no site da Câmara

policia-13-06-ft-policia-civi-MF-roubo-casal

Casal detido em Marechal Floriano disse que anjo os orientou a praticar furtos em residências

saude-13-06-ft-sesa

Hospital Estadual Central recebe placa comemorativa do selo Diamond pela excelência no tratamento do AVC 

politica-13-06-Helio-Filho-Secom

Armazéns do Porto de Vitória ganham projeto de requalificação

esporte-13-06-ft-gov-es-selecao-capixaba-handebol

Seleção capixaba de handebol disputa Campeonato Brasileiro Cadete

cultura-13-06-ft-gov-es

VII Festival de Leituras Dramáticas Capixabas agita Cachoeiro

saude-13-06-ft-Criar-Comunicacao-Integrada-medico

Mais de 50 médicos do Espírito Santo respondem por processo no CRM