Governo notifica 627 mil pessoas para devolver auxílio emergencial indevido

Publicado em 05/10/2021 às 08:51

Compartilhe

99004


source
Mensagens chegam pelos números 28041 ou 28042
Reprodução: iG Minas Gerais

Mensagens chegam pelos números 28041 ou 28042

O governo federal começou nesta terça-feira (5) a notificar pessoas que receberam o auxílio emergencial indevidamente para que os valores sejam devolvidos aos cofres da União. O Ministério da Cidadania informou que, ao todo, 627 mil pessoas receberão SMS dos números 28041 ou 28042.

As mensagens tratarão “sobre a devolução voluntária de recursos, denúncia de fraudes ou o pagamento de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) do Auxílio Emergencial”, diz a pasta.

Esse alerta vem na esteira da notificação feita em agosto a 650 mil pessoas para que também devolvessem os valores. Segundo o governo, após o envio do primeiro lote de SMS, foram devolvidos aos cofres públicos aproximadamente R$ 40,6 milhões até o dia 21 de setembro.

“Receberão as mensagens os trabalhadores que ao declarar o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) geraram DARF para restituição de parcelas do Auxílio Emergencial, mas que ainda não efetuaram o pagamento, ou que receberam recursos de forma indevida por não se enquadrarem nos critérios de elegibilidade do programa”, informou, em nota, o ministério.



Veja também

Palio-atinge-caminhonete-em-trevo-da-BR-262-e-foge-do-local-do-acidente

Pálio atinge caminhonete em trevo da BR-262 e foge do local do acidente

112964

EUA recomendam que população use “máscara mais protetora possível”

112962

Pitbull faz “birra” toda vez que escuta uma bronca

© José Cruz/Agência Brasil

Covid-19: Rio de Janeiro começa vacinação de crianças nesta segunda

112957

Covid-19: Áustria terá vacinação obrigatória a partir de fevereiro

© Alex Sandro/TV Brasil

Brasil recebe segunda remessa de vacina pediátrica da Pfizer

112953

Lira diz que Senado deve ser cobrado por nova alta de combustíveis

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Síndrome de Burnout é reconhecida como fenômeno ocupacional pela OMS