Furar teto para ganhar eleições é irresponsabilidade, disse Guedes no passado

Publicado em 25/10/2021 às 11:51

Compartilhe

101935


source
Furar teto para ganhar eleições é irresponsabilidade com as futuras gerações, disse Paulo Guedes no passado
Fernanda Capelli

Furar teto para ganhar eleições é irresponsabilidade com as futuras gerações, disse Paulo Guedes no passado

Na última semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu furar o teto de gastos para viabilizar o novo Auxílio Brasil , programa substituto do Bolsa Família. Mas, no passado, Guedes já criticou a ideia de furar o teto e a considerou “uma irresponsabilidade com as futuras gerações”. 

“Você furar o teto para fazer política, para ganhar a eleição, para garantir isso daí, isso é irresponsável com as futuras gerações, isso é mergulhar o Brasil num passado triste de inflação alta”, disse o ministro em outubro de 2020, quando já se discutia formas de financiar o novo programa, inicialmente batizado de Renda Cidadã .

Na ocasião, o ministro da Economia também afirmou que “fazer só coisinha agradável para todo mundo para ganhar a eleição é muito bonito, e depois joga o povo no inferno”.

A regra do teto de gastos limita o crescimento de despesas da União à inflação do ano anterior. Proposta pelo ex-presidente Michel Temer, ela está em vigor desde 2017 e deverá valer por 20 anos.

Leia Também

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou que o benefício do Auxílio Brasil será de R$ 400 até o fim de 2022. Guedes, então, admitiu que parte desse valor deverá ser pago fora do teto. A declaração gerou repercussões negativas dentro e fora do governo e foi considerada uma manobra eleitoral.

Há pouco mais de um ano, porém, Guedes disse que uma coisa era furar o teto com o objetivo de salvar vidas durante a pandemia de Covid-19 e acrescentou que, se o Brasil passasse por uma segunda onda, “aí sim seria o caso de furar o teto”. 

De fato, o país passou por essa segunda onda da pandemia, e o governo teve que retomar em abril o pagamento do auxílio emergencial, que havia terminado em dezembro. O avanço da vacinação, no entanto, tem possibilitado a retomada econômica.

Na sexta (22), Paulo Guedes disse detestar furar o teto de gastos, mas que não quer tirar nota 10 no quesito fiscal e “deixar os mais pobres passando fome”. “Se está muito feliz que está furando o teto? Não. Eu detesto furar o teto. Eu não gosto furar o teto, mas não estamos aí só para tirar 10 no fiscal”, afirmou. 

Veja também

107714

Cumbre Vieja: mais de 6 mil pessoas ficam desabrigadas por conta das erupções

107712

Alemanha: Merkel se despede após 16 anos como chanceler

107710

Polícia prende homem que estava armado em frente à sede da ONU nos EUA

© Raquel Portugal/FioCruz

Boletim da Fiocruz sinaliza aumento de casos de SRAG em 13 estados

© NIAID

Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil

© NIAID

País segue tendência estável de transmissão da covid-19

© Arquivo/Gilberto Marques/Governo do Estado de São Paulo

Rio monta estrutura extra para atender casos de gripe

107700

Auxílio gás e Alimenta Brasil são regulamentados por Bolsonaro