Fintechs x bancos tradicionais: o que esperar dessa rivalidade no futuro?

Publicado em 17/11/2021 às 16:21

Compartilhe

105540


source

As fintechs chamaram atenção dos usuários com a seguinte premissa: oferecer serviços personalizados com preços que cabem no bolso e menos burocracias. Com isso, elas se tornaram as queridinhas do mercado, especialmente entre os mais jovens.

De acordo com a Abstartups, atualmente, há quase 600 bancos digitais espalhados pelo Brasil. E, segundo um estudo do Instituto Locomotiva em parceria com a TecBan, cerca de 42% dos brasileiros detêm contas em fintechs.

No entanto, a popularização dos bancos digitais passou a causar desconforto nas instituições que já estão no mercado há um bom tempo. Entre os confrontos recentes, a Zetta (associação fundada pelo Nubank, Mercado Pago e Google) e a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) trocaram farpas referente às taxas de juros, o que evidenciou a rivalidade entre os setores bancários.

Leia Também

Menor burocracia das fintechs

Paulo Castro, CEO e cofundador do Contbank , fintech especializada em produtos para pequenas e médias empresas, pontua que os bancos digitais são apenas uma resolução à ineficiência e excesso de burocracia das instituições financeiras tradicionais.

“Durante muitos anos, os usuários se viam presos em uma instituição que oferecia pouca flexibilidade e vantagens. Portanto, o surgimento de fintechs , amparado por uma revolução tecnológica, permitiu então que novos serviços, mais baratos, menos burocráticos surgissem. É normal o incômodo dos bancos tradicionais, mas encaro isso como uma reação a um sistema obsoleto”, destaca.

Chegada do Marco Regulatório

Para Paulo, o confronto entre brancos tradicionais e digitais está longe de chegar ao fim, principalmente, com a chegada do marco regulatório das fintechs. Dado que, isto é apenas uma resposta à pressão que a Febraban tem feito para que as perspectivas das fintechs sejam encurtadas.

Leia Também

“O Marco Regulatório quer igualar duas categorias que não são iguais. Não é justo cobrar de uma fintech que está tentando driblar a crise para sobreviver aos mesmos impostos de um banco que está há 30 anos no mercado. Isso irá colocar um ponto final na história de várias fintechs que têm um imenso potencial de crescimento”, finaliza.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

Veja também

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele