No quarto dia de funcionamento, o secretário de Estado da Saúde, Ricardo de Oliveira, voltou à cidade de Santa Teresa para visitar a Rede Cuidar da região metropolitana de saúde. No local, o secretário visitou as instalações, acompanhou a rotina dos médicos na realização dos atendimentos e ouviu as declarações dos pacientes que estavam na unidade na manhã desta quinta-feira (12). Foram atendidos moradores de Santa Teresa, Santa Maria de Jetibá e Itarana. De segunda-feira (09) até o final da manhã desta quinta-feira, 81 pacientes foram atendidos na unidade.

Segundo o secretário, os relatos que ele tem recebido de pacientes e funcionários da unidade são muito positivos, e se disse satisfeito com os resultados. Ele destacou, no entanto, que ainda são os primeiros atendimentos, e é preciso alguns dias para que as equipes fiquem totalmente alinhadas.

“Minha avaliação é muito positiva sobre estes primeiros dias de atendimento. As pessoas estão saindo daqui satisfeitas, e esse é nosso objetivo. Os relatos que nos chegam é que as pessoas estão falando maravilhas do atendimento. Se o usuário está satisfeito eu tenho que ficar satisfeito também. Os últimos ajustes ainda estão sendo feitos e ainda vai levar um tempo para uma adaptação inclusive do modo de atendimento”, disse.

Entre os pacientes atendidos, estava a moradora da cidade de Itarana, Luzia Domingos dos Reis. Ela contou que foi encaminhada pela unidade de saúde da cidade onde mora para a Rede Cuidar em Santa Teresa, e gostou do atendimento recebido. “Sou hipertensa e diabética. Estive na unidade básica e me encaminharam para cá. Só hoje já passei por três médicos. É bom demais pois assim a gente faz uma viagem só. Antes tinha que marcar cada dia para um médico e ficava mais difícil pois moro longe. Assim ficou bem melhor. Gostei de ter uma pessoa me orientando sobre o que eu tenho que comer, mas a nutricionista aqui já me disse que estou fazendo a dieta certinha”, comentou Luzia.

Para a nutricionista Bárbara Gomes da Silva, que fez uma palestra de abertura com dicas sobre alimentação na manhã desta quinta-feira, a população anseia ao receber este atendimento multiprofissional e fica satisfeita ao entender que mudanças na alimentação são parte fundamental nos cuidados com a saúde.

“Vejo no rostinho de cada um o interesse na recuperação e a satisfação por estar aqui. Eles (pacientes) interagem, participam, perguntam. É muito gratificante poder levar a informação para dar um atendimento mais humano e verdadeiro para essas pessoas que tanto buscam isso. Essas orientações que damos influenciam diretamente na vida do paciente, tanto na manutenção da saúde como na recuperação em quem tem uma doença instalada”, disse.

Quem também foi atendido na unidade foi o paciente de Santa Maria de Jetibá, Lucas Batista, encaminhado para um ortopedista. “Tenho um esporão no pé e isso está me prejudicando muito. Fui primeiro na unidade básica, no clínico geral, e me encaminharam pra cá para um ortopedista”, contou.

O cirurgião vascular Edmar Silvério destacou sua satisfação em atuar na Rede Cuidar em Santa Teresa. Para ele, os vários olhares em um paciente é fundamental para bons resultados na saúde. “Faz bem para a nossa autoestima ver que contribuímos para o bem estar de um paciente. Acredito que o nível de satisfação aqui será bem alto”, disse.

Secretario visita Rede Cuidar em Santa Teresa 2Rede Cuidar

A Rede Cuidar é o novo modelo de atendimento integral à saúde que visa melhorar a qualidade de vida das pessoas, formando uma rede que está reorganizando o atendimento no sistema de saúde pública do Espírito Santo, desde a porta de entrada na unidade de saúde do município, passando pelas consultas e exames especializados, até a rede hospitalar.

A unidade de Santa Teresa é a segunda da Rede Cuidar entregue pelo Governo do Estado, em parceria com os municípios. A primeira, em Nova Venécia, na Região Norte, está em funcionamento desde setembro de 2017.

Ao todo, a população de oito municípios (Santa Teresa, Fundão, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Itaguaçu, Itarana, Laranja da Terra e São Roque do Canaã) será beneficiada com a unidade.

Entre os benefícios para a população com a entrega desta unidade estão o atendimento mais próximo, evitando o deslocamento para a Grande Vitória; aumento da oferta de consultas e exames; redução do tempo de espera para consultas e exames; atendimento personalizado e humanizado; integração das equipes da atenção primária às equipes da atenção especializada, garantindo um atendimento multiprofissional capaz de resolver até 95% dos problemas de saúde da população em sua própria região.

Todas as regiões do Estado terão uma unidade da Rede cuidar. Além de Nova Venécia e Santa Teresa, os municípios de Linhares e Guaçuí também contarão com a Rede Cuidar, até o final deste ano.

A primeira unidade da Rede Cuidar no Estado foi inaugurada em Nova Venécia, em setembro do ano passado.

A gerência da unidade de cuidado integral à Saúde, a Rede Cuidar em Santa Teresa, está sendo feita pela Associação Congregação de Santa Catarina.

O Espírito Santo tem 963.932 pessoas como público-alvo da 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, que começa no dia 23 de abril e vai até 1º de junho, com o dia D no dia 12 de maio. Conforme recomendado pelo Ministério da Saúde, a meta é vacinar pelo menos 90% dessa população, ou seja, 867.538 pessoas. Para atender a essa necessidade, o estado deve receber do Ministério da Saúde o total de 1.060.400 doses da vacina.

Ao receber as doses, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) faz a distribuição para os municípios para que eles vacinem o público-alvo, ação que é realizada nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou conforme a estratégia de cada administração. A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo, destaca que todos aqueles que fazem parte dos grupos prioritários da campanha devem receber a vacina para obter proteção contra a gripe e evitar possíveis complicações de saúde.

A lista de grupos prioritários da campanha inclui crianças de 6 meses até menores 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias); trabalhadores de saúde; gestantes; e puérperas (mulheres com até 45 dias após o parto); pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais; povos indígenas; pessoas com 60 anos ou mais; professores que atuam em sala de aula em escolas públicas e privadas de ensino infantil, fundamental, médio e superior; população privada de liberdade; adolescentes e jovens sob medida socioeducativas e funcionários do sistema prisional.

A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações explica que a gripe é causada pelos vírus influenza, sendo que o vírus A e B são os que provocam maior impacto na saúde humana. A vacina que será aplicada na campanha deste ano protegerá contra os vírus A (H1N1), subtipo Michigan/45/2015; A (H3N2), subtipo Singapore/INFIMH-16-0019/2016; e B, subtipo Phuket/3073/2013, que são, segundo Danielle, as cepas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde para a prevenção da gripe na temporada de 2018. Observa-se, portanto, duas modificações com relação ao ano de 2017, quando a dose era composta por cepas dos vírus Influenza A (H1N1) subtipo Michigan/45/2015; A (H3N2), subtipo Hong Kong/4801/2014; e B, subtipo Brisbane/60/2008-like.

Danielle Grillo alerta que mesmo aqueles que foram vacinados na campanha do ano passado precisam se vacinar este ano para ficarem protegidos, já que a composição da vacina muda a cada ano devido às constantes mutações dos vírus influenza. Segundo Danielle, a pessoa fica protegida em torno de dez dias após a vacinação. Há situações em que pessoas relatam terem ficado gripadas depois de terem tomado a vacina influenza, mas a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações explica que a vacina é composta de vírus inativado (morto e fragmentado), portanto, não provoca a doença. Pode acontecer, no entanto, de a pessoa ter tido contato com o vírus influenza poucos dias antes de ser vacinada ou antes de o corpo ter produzido a imunidade, por isso a doença se desenvolve no organismo mesmo com a aplicação da vacina.

O que é a influenza

Conforme explica o Informe Técnico enviado aos estados pelo Ministério da Saúde, a influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto para a boca, os olhos e o nariz.

Segundo Danielle Grillo, estudos mostram que a hospitalização e a morte por influenza ocorrem principalmente entre pessoas de grupos de alto risco que não receberam a vacina, como idosos; portadores de doenças crônicas e condições clínicas especiais; crianças menores de 5 anos de idade, ainda que previamente saudáveis; e mulheres gestantes ou na fase do puerpério.

Em alguns casos, a infecção pelo vírus influenza pode evoluir para um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), em que o paciente apresenta sintomas gripais associados a uma forte dificuldade de respirar. Os sintomas da gripe são agudos, ou seja, surgem de repente. A pessoa começa a se sentir mal, logo vem a dor de garganta, muita dor no corpo, febre alta prolongada e tosse.

Muitos sintomas são semelhantes ao do resfriado, que também dá tosse, coriza, apesar de a pessoa não ficar tão prostrada e às vezes nem ter febre. Para não haver dúvida nem correr risco, é importante buscar atendimento médico mesmo se os sintomas forem mais brandos. O médico é quem poderá, de forma segura, fazer o diagnóstico e determinar o tratamento.

Em 2018, foram registrados cinco casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por Influenza no Espírito Santo, sendo dois casos por Influenza A (H3N2), um caso por Influenza A (H1N1) e dois casos por Influenza B. Destes, um caso evoluiu para óbito por Influenza B. Já em 2017 o estado registrou 67 casos de SRAG por Influenza, sendo 54 casos por Influenza A (H3N2), um caso por Influenza A (não subtipado) e 12 casos por Influenza B. Destes casos, sete evoluíram para óbito (H3N2).

A população capixaba passa a contar com mais uma unidade da Rede Cuidar, o novo modelo de atendimento integral à saúde que visa melhorar a qualidade de vida das pessoas, formando uma rede que está reorganizando o atendimento no sistema de saúde pública do Espírito Santo, desde a porta de entrada na unidade de saúde do município, passando pelas consultas e exames especializados, até a rede hospitalar.

A unidade de Santa Teresa é a segunda da Rede Cuidar entregue pelo Governo do Estado, em parceria com os municípios. A primeira, em Nova Venécia, na Região Norte, está em funcionamento desde setembro de 2017. Desde então, 11.014 pessoas foram atendidas na unidade e foram realizados 31.862 exames e consultas.

Ao todo, a população de oito municípios (Santa Teresa, Fundão, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Itaguaçu, Itarana, Laranja da Terra e São Roque do Canaã) será beneficiada com a unidade. Isso representa um total de 146.552 pessoas, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Rede Cuidar em Santa Teresa começa a funcionar nesta segunda-feira (09).

Mais de 400 pessoas prestigiaram a solenidade, que contou com a presença do governador Paulo Hartung, do secretário de Estado da Saúde, Ricardo de Oliveira, dos oito prefeitos e secretários de saúde dos municípios atendidos na unidade; da equipe da secretaria de Estado da Saúde; entre outras autoridades.

Entre os benefícios para a população com a entrega desta unidade estão o atendimento mais próximo, evitando o deslocamento para a Grande Vitória; aumento da oferta de consultas e exames; redução do tempo de espera para consultas e exames; atendimento personalizado e humanizado; integração das equipes da atenção primária às equipes da atenção especializada, garantindo um atendimento multiprofissional capaz de resolver até 95% dos problemas de saúde da população em sua própria região.

Na unidade Cuidar, os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) poderão realizar consultas e a maioria dos exames no mesmo local, com uma equipe multiprofissional, e sairão do atendimento com um plano de cuidado que inclui orientações de nutrição, atividades físicas e uso de medicamentos, dentre outros, que será elaborado por um conjunto de especialistas (médico, enfermeiro, nutricionista, educador físico, assistente social, e outros) em função do caso de saúde de cada paciente. O acompanhamento da realização desse plano de cuidados será realizado pelas equipes das unidades básicas de saúde do município onde o paciente reside. Os serviços dos municípios e a unidade Cuidar irão interagir o tempo todo.

O governador Paulo Hartung destacou que a inauguração da Rede Cuidar em mais uma região é fruto de ação coletiva do Estado e dos municípios de Santa Teresa e do entorno. Paulo Hartung destacou que a Rede Cuidar é um projeto inovador que auxilia na estruturação da contraprestação de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). “Isso aqui é um novo conceito. Na linguagem que gosto de usar, é sair do quadradinho. Com ações como esta, estamos colocando de pé a criatividade e a inovação no serviço público. É uma ação para estruturar o SUS”, destacou.

“Estamos trazendo consultas especializadas e exames. Também vem junto o atendimento humanizado. Além disto, os moradores não irão mais precisar deslocar para Vitória para terem acesso a esse tipo de serviço. A Rede Cuidar melhora a contra prestação de serviços em Santa Teresa e região e, simultaneamente, na Grande Vitória”, explicou o governador.

Outra ação importante anunciada pelo governador é o serviço de autocuidado que será ofertado pela nova unidade. “Tempo é organização de agenda e é isso que vamos trabalhar nesta unidade inovadora de saúde difundido práticas saudáveis de saúde”, detalhou.

O secretário de Estado da Saúde, Ricardo de Oliveira, destacou que não se trata apenas da inauguração de um prédio, e pontuou que trata-se da chegada de um novo modelo de atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) na região. Ele ressaltou que o nome Rede Cuidar trata-se de uma nova maneira de cuidar da saúde das pessoas.

“Estamos comemorando hoje a implantação de um novo modelo de atendimento aos usuários do SUS nessa região. Não estamos apenas inaugurando um prédio. Estamos implantando um novo modelo de atendimento. Quero registrar meus agradecimentos a todos os prefeitos e secretários de saúde pelo apoio ao projeto. Sem esse apoio não teríamos chegado a esse momento. Essa unidade não é de Santa Teresa, é da região. As decisões sobre a Rede Cuidar nessa região serão tomadas pelos municípios participantes e pela Sesa", disse.

Segundo o secretário, a Rede Cuidar chega à região com a ampliação dos serviços hospitalares. Ele reforçou que é um projeto do SUS. “Ampliamos nossa contratualização com o Hospital Madre Regina Prottman para ofertar mais serviços à população dessa região, evitando o deslocamento pelas estradas em direção à Grande Vitória. Esse projeto, hoje, não tem dono. Ele é do SUS. Ele está sendo construído, diariamente, com a participação de milhares de pessoas, em cada unidade básica de saúde dos municípios, na unidade de cuidado integral à saúde da Região Norte, que já está em funcionamento, no processo de implantação de cada unidade de cuidado integral à saúde, nas reuniões mensais da CIR (Comissão Intergestores Regional), com a participação dos secretários municipais de saúde, e nas inúmeras reuniões da Sesa. Como podemos ver a Rede Cuidar é um projeto coletivo, construído em parceria com os municípios. Estamos realizando o sonho do SUS”, afirmou.

Governo do Estado entrega Rede Cuidar em Santa Teresa 2Consultas e Exames

A unidade Cuidar em Santa Teresa iniciará com capacidade para ofertar 74.450 procedimentos ambulatoriais, entre consultas e exames especializados, por ano, podendo ampliar estes serviços conforme necessidade identificada.

Serão oferecidas na unidade seis linhas de cuidado: Mulher e da Criança de Risco, incluindo a propedêutica (etapas iniciais) de câncer de mama e de colo de útero; Hipertensão e Diabetes de alto e muito alto risco; Ortopedia; Oftalmologia; Dermatologia (câncer de pele); e Cardiologia (risco cirúrgico). Essas linhas de cuidado foram definidas após um estudo de necessidades de atendimentos na região.

Serão realizados exames de ultrassonografias, mamografias, eletrocardiograma, teste ergométrico, ecocardiograma, Mapa, holter, fundoscopia, retinografia, laserterapia, doppler manual, radiológicos, ultrassonografias, tomografias, ceratometria, tonometria, retinografia, além de biópsias, exéreses, colposcopias e eletrocauterizações.

Linhas de Cuidado

- Saúde da mulher: Consultas (obstétricas, pediátricas, mastológicas, e ginecológicas), exames (ultrassonografias, mamografias, ecocardiogramas), procedimentos (biópisias, colposcopias, eletrocauterizações) e atendimentos de equipe multidisciplinar (assistente social, nutricionista, enfermagem, fisioterapeuta, técnico de enfermagem).

- Hipertenso e diabético: Consultas (cardiologia, angiologia, nefrologia, endocrinologia), exames (teste ergométrico, ecocardiograma, ECG, MAPA, HOLTER, fundoscopia, retinografia, laserterapia, doppler manual) e atendimentos de equipe multidisciplinar (assistente social, nutricionista, enfermagem, fisioterapeuta, técnico de enfermagem).

- Dermatologia: Consultas e rocedimentos (biópsias, exéreses).

- Traumato-ortopedia: Consultas, atendimentos ortopédicos com imobilização e exames (radiológicos, ultrassonografias, tomografias, etc).

- Oftalmologia: Consultas e exames (ceratometria, tonometria, retinografia, etc).

- Cardiologia: Consultas de cardiologia (pré-cirúrgico).

Para ser atendido na Rede Cuidar, o paciente deve ir até a Unidade de Saúde do seu município. Após avaliação, de acordo com a sua necessidade, será encaminhado para a Rede Cuidar.

Profissionais

Para atuar no local foram contratados 19 profissionais entre assistente social, enfermeiros, farmacêutico clínico, fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo, técnico de enfermagem, enfermeiro pé diabético, funcionários de apoio administrativo, faturamento, recepção, almoxarife, porteiro e auxiliar de higienização.

Custo

O gasto para cada um dos municípios em 2018 corresponde a R$ 4,69 por munícipe. Já para o ano de 2019, a estimativa de valor por munícipe é de R$ 7,02. Este valor corresponde à metade do custo anual de R$ 2,27 milhões. A outra metade será custeada pelo Estado.

Rede Cuidar

Todas as regiões do Estado terão uma unidade da Rede cuidar. Além de Nova Venécia e Santa Teresa, os municípios de Linhares e Guaçuí também contarão com a Rede Cuidar, até o final deste ano. Para a implantação de cada unidade foram investidos aproximadamente R$ 5,3 milhões em obras e equipamentos, com recursos do BNDES.

Com a implantação das unidades, a estimativa é que 1 milhão de pessoas deixem de ser direcionadas para atendimento na Grande Vitória. A primeira unidade da Rede Cuidar no Estado foi inaugurada em Nova Venécia, em setembro do ano passado.

A gerência da unidade de cuidado integral à Saúde, a Rede Cuidar em Santa Teresa, será feita pelo Hospital Madre Regina Protman. Essa foi uma decisão dos gestores do SUS na região para garantir integração com o atendimento hospitalar.

Funcionários das unidades de saúde de Marechal Floriano estão realizando diversas ações nas escolas da rede municipal. Alguns estabelecimentos de ensino já receberam a visita dos agentes de saúde. Outras escolas ainda serão visitadas.

Mais de 300 alunos da EMEF Professor Nicolau Kröhling, de Santa Maria de Marechal, participaram de uma ação promovida pela equipe da Unidade Básica de Saúde do distrito, na última terça-feira (27). Foram realizados exames para medir o índice de massa corpórea (IMC), verificação dos cartões de vacina e vacinação de contra meningite e HPV.

Marechal Floriano realiza acoes de saude para conscientizacao nas escolas 3O tema da ação deste mês foi o Aedes aeypti. Devido à grande quantidade de chuvas que atingiram a região nas últimas semanas, a equipe da Unidade de Saúde observou a necessidade de conscientização dos alunos. Isso aconteceu por meio de uma palestra. A expectativa é de que os alunos contribuam na redução da proliferação do mosquito transmissor de graves doenças, entre elas a Dengue.

“Apesar de ser uma doença epidêmica, é possível reduzir sensivelmente o número de casos com ações simples”, ressaltou a enfermeira Gabriela Elizeu Raimundo, durante a palestra.

Marechal Floriano realiza acoes de saude para conscientizacao nas escolas

A ação foi realizada para 312 alunos, para as turmas do 1º ao 9º ano, nos turnos matutino e vespertino. Ao mesmo tempo em que as palestras eram realizadas, acontecia a verificação do IMC, a conferência dos cartões de vacina dos estudantes e a aplicação de vacinas. Ao todo, foram administradas 14 doses de vacina HPV, 31 doses de vacina meningocócica C e três doses de varicela.

O objetivo da palestra foi a conscientização de que a ação mais simples de combate à Dengue é evitar o nascimento do mosquito e que, para isso, é necessário eliminar todo possível criadouro. Também foi mostrado aos estudantes que as ações devem ser coletivas e que todos devem agir contra a Dengue.

Os alunos foram orientados a procurar o atendimento médico sempre que suspeitarem da doença, e incentivados a levar à comunidade os conhecimentos sobre o combate da Dengue.

A palestra foi ministrada pela enfermeira Gabriela Elizeu Raimundo. A técnica em Enfermagem Eliane Peres realizou a vacinação. Participaram da verificação do IMC as agentes comunitárias de Saúde Shâmada Kröhling, Sandra Aparecida e Elismar Hosana.

A Secretaria Municipal de Saúde apoia ações como esta. “Agradecemos à comunidade e a todas as escolas, que abrem as portas para que as equipes da Saúde possam fazer as ações. Trabalhamos com a prevenção e com a promoção da Saúde. É disso que a população precisa: Saúde e Educação seguindo juntas”, ressaltou o secretário de Saúde de Marechal Floriano, doutor Fernando Mello.