POMERANA

Coluna Pomerana

Como destruir deuses?

Publicado em 20/06/2023 às 11:11

Compartilhe

Colunas-Montanhas-capixabas-Pomerano-1
Fig. 1 – Kap-Arkona,: na imagem, bem à esquerda, originalmente se encontrava o templo/fortaleza de mesmo nome. Hoje, as escavações arqueológicas (Fig 2) estão tentando identificar restos de suas ruinas

No ano de 1168, um bispo dinamarquês destruiu três deuses pagãos. A história é contada em GESTA DANORUN, de Saxo Grammaticus, que recentemente, pela primeira vez, foi inteiramente traduzido para o inglês.

Saxon Grammaticus foi um clérigo e historiador dinamarquês que, por volta do ano 1188, começou a escrever a primeira história completa da Dinamarca. Com mais de 16 livros, o relato em Gesta Danorum inicia em uma época antes de Jesus Cristo, descrevendo os primórdios mitológicos dos dinamarqueses. É uma leitura popular, com contos e lendas, relembrando o passado pagão desta região, cobrindo a ascensão de líderes importantes como Cnut, o Grande. À medida que avança para o século XII, o foco do trabalho concentra-se no governo de vários reis dinamarqueses, mais notavelmente Valdemar I, que governou de 1146 a 1182. Embora a Dinamarca, nessa época, há bastante tempo já tenha sido um país cristão, alguns de seus vizinhos do Mar Báltico ainda eram pagãos, como (o reino d)os Wends, um povo que habitava a ilha de Rügen, localizada nas proximidades da costa nordeste da Alemanha.

Fig. 2 – Área de escavação em Kap/Arkona – estão tentando identificar restos de suas ruinas – Arquivo Seibel

Após anos de ataques de “piratas” Wendes, o rei Valdemar foi persuadido por Absalon, o bispo de Roskilde e principal conselheiro real, a lançar uma cruzada contra aquele povo. No ano de 1168, os dinamarqueses desembarcaram em Rügen e sitiaram a cidade e o templo-fortaleza de Arkona. Segundo esses relatos, assim que as forças de Valdemar incendiaram as habitações da cidade, os residentes de Arkona fizeram um acordo para se render. O rei Valdemar destruiu Arkona, tomando como reféns os líderes do povo wendish e ordenando a destruição das estátuas das divindades locais, do deus chamado Svantevit.

Saxon escreve: que “os homens viram-se incapazes de arrancá-lo de sua posição sem o uso de machados; eles, portanto, primeiro

rasgaram as cortinas que cobriam o santuário, e então ordenaram a seus servos que tratassem rapidamente da tarefa de derrubar a estátua; no entanto, eles tiveram o cuidado de alertar seus homens para ter cuidado ao desmontar uma massa tão grande, para que não fossem esmagados por seu peso e
pensassem que haviam sofrido a punição da divindade malévola. Enquanto isso, uma multidão massiva de habitantes da cidade cercava o templo, esperando que Svantevit perseguisse os instigadores desses ultrajes com sua forte retribuição sobrenatural.”

Fig. 3 – https://fineartamerica.com/featured/the-taking-of-arkona-in-1169-king-valdemar-and-
bishop-absalon-laurits-tuxen.html

Depois de muito trabalho, os homens cortaram a estátua. Segue o relato:
“Com um estrondo gigantesco, o
ídolo caiu no chão. As camadas de cortinas
roxas que pendiam do santuário
certamente cintilavam, mas estavam tão
podres de decomposição que não podiam
sobreviver ao toque. O santuário também
continha grandes chifres de animais
selvagens, não surpreendendo menos em
si mesmos do que em sua ornamentação.
Um demônio foi visto saindo do santuário
mais íntimo disfarçado de animal negro,
até que desapareceu abruptamente do
olhar dos espectadores”.

Enquanto o deus em Arkona estava sendo destruído, os dinamarqueses receberam a palavra do povo de Karenz – outra cidade importante na ilha – de que estavam prontos para se render. Absalon viajou para a
cidade com 30 homens, onde foram recebidos por 6.000 guerreiros. No entanto, os Wendes prostraram-se aos cristãos e receberam o bispo.

Karenz era o lar de três divindades pagãs – Rugevit, Porevit e Porenutue se acreditava serem os deuses da guerra, do relâmpago e do trovão. O bispo Absalon veio destruir esses deuses, e Saxo Grammaticus (que pode ter sido uma testemunha ocular) descreve a cena em que se deparou com o primeiro dos três
templos pagãos:

“O maior santuário era cercado
por seu próprio átrio, mas ambos os
espaços eram fechados com cortinas
roxas em vez de paredes, enquanto a
empena do telhado se apoiava apenas em
pilares. Portanto, os atendentes rasgaram
as cortinas que adornavam a área de
entrada e, por fim, colocaram as mãos nos
véus internos do santuário. Uma vez
removidos, um ídolo feito de carvalho, que
eles chamavam de Rugevit, ficou aberto ao
olhar de todos os cantos, totalmente
grotesco em sua feiura. Pois as
andorinhas, tendo construído seus ninhos
sob as feições de seu rosto, haviam
empilhado a sujeira de seus excrementos
por todo o peito. Uma bela divindade, de
fato, quando sua imagem foi contaminada
de forma tão revoltante por pássaros!
Além disso, em sua cabeça havia sete
rostos humanos, todos contidos sob a
superfície de um único couro cabeludo.

O escultor também forneceu o mesmo número de espadas reais em bainhas, que pendia em um cinto ao lado, enquanto um oitavo era segurado brandido em sua mão direita. A arma havia sido inserida em seus punhos, aos quais um prego de ferro a prendeu com um punho tão firme que não podia ser arrancada sem cortar a mão; este foi o pretexto necessário para cortá-lo. Em espessura, o ídolo ultrapassava a
largura de uma estrutura humana, e sua altura era tal que Absalon, na ponta dos pés, mal conseguia alcançar o queixo com o pequeno machado de guerra que costumava carregar.
Os homens de Karenz acreditavam que este era o deus da guerra, como se fosse dotado da força de Marte. Nada sobre a efígie era agradável de se ver, pois seus contornos eram deformados e repulsivos por causa da escultura tosca.”
O bispo Absalon logo ordenou a seus homens que começassem a destruir os deuses:
“Cada cidadão foi tomado por um pânico absoluto quando nossos companheiros começaram a aplicar suas machadinhas na parte inferior de suas pernas. Assim que estes foram cortados, o tronco caiu, atingindo o solo com um estrondo. Assim que os habitantes da cidade viram esta visão, eles zombaram do poder de seu deus e desdenhosamente abandonaram o objeto de sua veneração.

Não satisfeito com sua demolição, a força de trabalho de Absalon agora estendia as mãos com ainda mais entusiasmo em direção à imagem de Porevit, adorada no templo próximo. Nele foram implantadas cinco cabeças, embora tivesse sido modelado sem armas. Depois que aquela efígie foi derrubada, eles atacaram o recinto sagrado de Porenut.

Sua estátua exibia quatro faces e uma quinta foi inserida em seu peito, com a mão esquerda tocando a testa, a direita o queixo.

Aqui, novamente, os auxiliares prestaram um bom serviço, cortando a figura com seus machados até que ela tombasse.”

Depois que os ídolos foram destruídos, o bispo dinamarquês quis infligir uma destruição mais permanente aos deuses pagãos:

“Absalão então emitiu uma proclamação de que os cidadãos deve-riam queimar esses ídolos da cidade, mas eles imediatamente se opuseram a seu comando com súplicas, implorando-lhe que tivesse pena de sua cidade superlotada e não os expusesse ao fogo depois de ter poupado suas gargantas. Se as chamas se arrastassem para a área ao redor e se apoderassem de uma das cabanas, a densa concentração de edifícios sem dúvida faria com que toda a massa se transformasse em fumaça. Por esta razão, eles foram convidados a arrastar as estátuas para fora da cidade, mas por muito tempo o povo resistiu, continuando a alegar a religião como desculpa para desafiar o edito; eles temiam que as forças sobrenaturais exigissem vingança e os fizessem perder o uso dos membros que haviam empregado para cumprir a ordem”.

Enquanto os restos dos deuses pagãos eram arrastados, Sven de Arhus, outro bispo que veio com Absalon, acrescentou insulto à injúria:
“Para que pudesse mostrar a eles os ídolos que mereciam o desdém, Sven se encarregou de ficar bem alto em cima deles enquanto os homens de Karenz os afastavam. Ao fazer isso, ele acrescentou afronta ao aumentar o peso e incomodou os puxadores tanto com humilhação quanto com o fardo extra, quando viram suas divindades sob os pés de um bispo estrangeiro.”

Enquanto isso estava sendo feito, o bispo Absalon começou a preparar a área para ser cristã. Ele primeiro consagrou três cemitérios na zona rural nos arredores de Karenz e, depois de celebrar uma missa, batizou o povo. Saxo então acrescenta: “Da mesma forma, construindo igrejas em um grande número de localidades, eles trocaram os covis de uma superstição esotérica pelos edifícios da religião pública”.

A ilha de Rügen passou a aceitar o cristianismo – e o domínio dinamarquês. Em 1178, o bispo Absalon se tornaria arcebispo de Lund servindo até sua morte em 1201. Saxo Grammaticus terminaria sua Gesta Danorum no início do século XIII, cobrindo seu relato da história da Dinamarca até o ano 1185.


Fonte – Karsten Friis-Jensen, Saxo Grammaticus (Volume II): Gesta Danorum: A História dos Dinamarqueses (Textos Medievais de Oxford)


Veja também

policia-29-02-IG-Reproducao-Instagram

Suspeito de desmanchar carro usado no Caso Marielle é preso pela Polícia Federal

saude-29-02-freepik-mulher-gripe

Saiba a diferença entre os sintomas da dengue e da Covid-19

policia-29-02-Marcelo-Camargo-Agencia-Brasil

Polícia Federal prende mais três suspeitos em nova fase da operação Lesa Pátria

policia-29-02-pm-capa

Polícia Militar prende suspeitos de tráfico de drogas e encontra um pé de maconha em Domingos Martins

geral-28-02-alfredo-chaves-estradas

Estradas precárias em Alfredo Chaves dificultam acesso de moradores a serviços básicos

saude-28-02-PMMF-vacinacao

Marechal Floriano inicia vacinação contra a dengue para crianças de 10 e 11 anos

brasil-28-02-ag-brasil-Juca-Varella

Ministério da Educação divulgou a segunda chamada do Prouni

turismo-28-02-PMDM-pascoa

Coelhinho chega neste final de semana para inaugurar a Festa da Páscoa em Domingos Martins

Últimos artigos de Coluna Pomerana

Relatos, Memórias e Retratos da nossa história – Parte I

Como as mulheres se vestiam no século XIX

Comunidades livres e escolas pomeranas – Parte II

Os pastores, as comunidades livres e as escolas pomeranas em São Lourenço do Sul – Parte I

Vila Neitzel: a maior comunidade pomerana de Minas Gerais