A participação do pequeno mercado no Brasil

Publicado em 13/10/2021 às 08:45

Compartilhe

pag

O Brasil tem sofrido para retomar o seu crescimento econômico pós pandemia. Ainda assim alguns negócios se destacaram entre a população durante 2021, mostrando a versatilidade do brasileiro que sempre emerge em tempos de dificuldade.

O desaceleramento do crescimento econômico no Brasil não é um evento isolado, já que a pandemia afetou o mundo e trouxe consequências econômicas que podem ser reversíveis somente à longo prazo. Além disso, é reconhecido que iniciar um negócio em território nacional implica em um desafio maior. Isto devido as altas taxas cobradas pela União, em especial para pequenos empresários.

Estudos do Sebrae e da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram que que micro e pequenas empresas representam quase 30% do Produto Interno Bruto (PIB), o que explica os esforços governamentais voltados para ações que estimulem o crescimento dos pequenos empresários. Mesmo em tempos de crise, esta modalidade de negócios continua a crescer e destaca-se por serem importantes para a economia como um todo (não somente a economia local), e pela geração da oferta de empregos formais.

Enquadramento tributário

A estimativa é animadora para as novas empresas. Segundo divulgado pelo SEBRAE, é esperado que novas empresas ultrapassem a marca de R$15 milhões em empreendimentos até 2022. Mesmo durante a crise em decorrência da pandemia, os pequenos negócios são responsáveis pelos menores níveis de inadimplência, o que justifica um cenário tão otimista. Cabe destacar que a tributação no Brasil é alta para micro, pequenos e médios empresários, e entender o modelo da sua empresa é essencial para manter as tributações em dia e evitar possíveis multas.

Seja você um Microempreendedor Individual (MEI), o criador de uma Microempresa (ME) ou o representante de uma Empresa de Pequeno Porte (EPP), um outro trabalho em paralelo certamente permeará o seu negócio direta ou indiretamente. Um exemplo são as alternativas buscadas por pessoas no qual o salário-mínimo não cobre as despesas mínimas da casa e que buscam ativamente alternativas para complementar a renda.

Uma vida paralela

A inflação exacerbada dos últimos anos impactará o próximo reajuste salarial, fazendo com que seja a maior alta dos últimos seis anos. Infelizmente esse aumento não representa um ganho real na carteira dos brasileiros, que têm procurado alternativas para complementar a renda. A criação de plataformas para comércio virtual são um ótimo exemplo de renda alternativa que tem crescido significativamente em território nacional. Existem ainda plataformas de apoio, como a https://businessnamegenerator.com/pt-br/ para estes e outros tipos de negócios que estão em fase inicial.

Alguns negócios que driblam as taxações se destacam pela maior lucratividade. Este é o caso de atividades como carregadores de bagagem, consultores educacionais, consultores de cosméticos, técnicos em informática ou babás de pet. Boa parte da população trabalha em áreas como estas às sombras da informalidade, de acordo com as horas que tem disponíveis depois de cumprir seu trabalho convencional. Mas cabe lembrar que um MEI é o mínimo exigido para você prosperar na sua marca e divulgar o seu negócio sem maiores dores de cabeça com o governo.

Veja também

107714

Cumbre Vieja: mais de 6 mil pessoas ficam desabrigadas por conta das erupções

107712

Alemanha: Merkel se despede após 16 anos como chanceler

107710

Polícia prende homem que estava armado em frente à sede da ONU nos EUA

© Raquel Portugal/FioCruz

Boletim da Fiocruz sinaliza aumento de casos de SRAG em 13 estados

© NIAID

Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil

© NIAID

País segue tendência estável de transmissão da covid-19

© Arquivo/Gilberto Marques/Governo do Estado de São Paulo

Rio monta estrutura extra para atender casos de gripe

107700

Auxílio gás e Alimenta Brasil são regulamentados por Bolsonaro