Defensor Público em Breves, Pará.

Nosso Direito

A melhor forma de arruinar a vida dos filhos e dos netos

Publicado em 28/07/2021 às 08:09

Compartilhe

Colunas-Montanhas capixabas-Nossos_direitos

A vida como Defensor Público aqui no Pará tem reforçado muitas das minhas convicções, de formas diferentes.

Um dos assuntos que mais me angustia é a forma como os pais e avós cuidam dos seus filhos e netos, respectivamente.

Recentemente este assunto voltou à minha mente, ora em uma audiência, ora em atendimento que fiz a assistido na própria Defensoria.

No primeiro caso, substitui o amigo Defensor, que estava em itinerância em outra Comarca, em audiência criminal, em que o cidadão foi denunciado por tentativa de homicídio. Ao ouvir a vítima da suposta tentativa, sua mãe, ela, para livrar o filho da cadeia, já que ele se encontrava preso provisoriamente, inventou história perante o Juiz, mentira, posteriormente, confirmada pelo próprio processado em seu interrogatório. O membro do Ministério Público terminou por pedir a desclassificação da imputação para crime de lesão corporal. Não se sabe ao certo o que ocorreu, mas, indubitavelmente a mãe está contribuindo muito para o seu filho ter uma visão distorcida do mundo em que vive, ao ensiná-lo a defender mentiras.

Em outro caso, atendendo assistida e sua filha que agendaram horário para se informarem sobre suposto inventário a ser aberto, a senhora mais velha, mãe da outra mulher, me relatou que possui filho de cerca de 40 (quarenta) anos de idade, que, não trabalha e administra as contas da mãe, dizendo o que ela pode ou não fazer, e quem ela tem direito de receber em sua casa, sem prejuízo de lhe impedir de exercer a sua vontade emprestando dinheiro para uma das filhas construir a sua casa.

Outro caso que já tomei conhecimento foi de quarentão que precisa de ajuda dos seus pais para bancar a vida nababesca que leva sua genitora e filhos. É o caminho do fim do mundo!

Infelizmente a superproteção que as mães e os avós concedem aos seus filhos e netos, respectivamente, que ora vivem da herança em vida de seus ascendentes, ora de serem bancados por eles em seus caprichos, por certo produzirá uma geração de pessoas fracas e que não aceitam frustrações, pois estão acostumadas com o famoso “passar a mão” em suas cabeças.

Que cada um pense no que está fazendo com o seu filho e neto, pois devem existir mais “nãos” do que “sims” na criação de crianças e adolescentes, sob pena de serem arruinadas as vidas destes descendentes.

Jairo Maia Júnior é Defensor Público no Estado do Pará.

Veja também

© Samara Miranda/Remo/Direitos Reservados

Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

© Reuters/Denis Balibouse/ Direitos Reservados

Brasil recebe mais dois lotes de vacinas da Pfizer

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

CCJ da Câmara aprova admissibilidade da PEC dos Precatórios

© Gaspar Nóbrega/COB/Direitos Reservados

Brasil vence Argentina no Sul-Americano de vôlei feminino

© Bruno Haddad/Cruzeiro/Direitos reservados

Série B: VAR anula gol nos acréscimos e Cruzeiro empata com Operário

© Rafael Ribeiro/Vasco/Direitos Reservados

CRB arranca empate com o Vasco na 24ª rodada da Série B

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

Decreto aumenta alíquotas do IOF para custear novo Bolsa Família

© Rovena Rosa/Agência Brasil

CoronaVac dá proteção acima de 90% a quem tem comorbidades, diz estudo

Últimos artigos de Nosso Direito

Quem tem razão?

A melhor forma de arruinar a vida dos filhos e dos netos

Os relacionamentos da sociedade moderna

A agressão como combustível de mais amor

Sair da zona de conforto