Veja os prejuízos por minuto para o Facebook com a queda das redes

Publicado em 04/10/2021 às 17:20

Compartilhe

98940


source
Veja os prejuízos por minuto para o Facebook, com a queda dos produtos
Lorena Amaro

Veja os prejuízos por minuto para o Facebook, com a queda dos produtos

No início da tarde desta segunda-feira (4), a queda do Instagram, Facebook e Whatsapp provocou tumulto na internet sobre as consequências financeiras para a empresa de comunicação e redes sociais que controla os serviços mais usados nesse meio. Apesar de já ter passado por muitas instabilidades, esta é a primeira vez que todos os produtos ficam fora do ar simultaneamente. 

Até o fechamento desta reportagem, já se passaram mais de 50 minutos de serviços indisponíveis, e com isso surgiram diversas ‘teorias conspiratórias’ e memes na web.

Prejuízos 

O Facebook é uma das maiores companhias já criadas, e gera altos lucros. A organização que conseguiu entrar em menor tempo para a lista de maiores empresas do mundo.

No segundo trimestre de 2021, a empresa lucrou US$ 10,4 bilhões. No mesmo período do ano passado os ganhos foram de aproximadamente US$ 5,2 bilhões. É possível calcular que as perdas por minuto fora do ar cheguem a mais de US$ 950.693,00 ou mais de US$ 57.000.000,00 por hora offline, considerando apenas perda de rentabilidade final, ou seja, o que ganham os acionistas. Se considerar o faturamento total, o prejuízo pode ser várias vezes maior. 

Veja também

© Rovena Rosa/Agência Brasil

Saúde: 53 milhões de brasileiros estão aptos a tomar dose de reforço

114688

Conta de luz terá bandeira verde em fevereiro para os mais pobres

© Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

Recursos para programas sociais triplicaram, diz ministro da Cidadania

© Tânia Rêgo/Agência Brasil

Covid-19: Brasil bate 25 milhões de casos de infectados

114682

Governo pagará bolsas a jovens e desempregados acima de 50 anos

114680

Petrobras e “Odebretch” desistem de oferta e ação da Braskem sobe 10%

114678

Aprenda a fugir de golpes em 5 passos

© Rovena Rosa/Agência Brasil

Anvisa alerta sobre diferença de vacinas pediátricas contra a covid-19