Defensor Público em Breves, Pará.

Nosso Direito

Sair da zona de conforto

Publicado em 10/05/2021 às 12:50

Compartilhe

A pandemia do coronavírus, de origem chinesa, virou o mundo de pernas para o ar. Nunca na história da humanidade o mundo parou por completo diante do medo do desconhecido.

O conflito é entre a fome e a doença. Quem irá vencer? O Brasil, por exemplo, exibe um cenário de 40 milhões de pessoas que vivem na informalidade, ou seja, sem vínculos concretos com o Estado, e que acabam por sobrecarregar o nosso sistema assistencialista da seguridade social. São pessoas que almoçam com o dinheiro que arrecadam com as vendas de produtos ou a prestação de serviços da manhã do mesmo dia. Essas pessoas já estão passando fome. O que dizer então dos empresários, sejam do agronegócio ou da indústria, tidos pelos socialistas como vilões, mas que são o motor da economia.

Em meio a todo este cenário, que vivemos há mais de um ano, resolvi sair da zona de conforto, rompendo com 16 anos de docência, após anos de estudo no Mestrado na PUC-SP, período como professor em que fui muito feliz, me realizei, me descobri como profissional e estudioso e fiz grandes amigos. Morava bem, em casa própria, me alimentava da mesma forma, gerenciava o meu horário, morava perto do mar, mas, a questão é: estava totalmente realizado? E a resposta era não.

Veio a calhar que Deus abençoasse que eu fosse nomeado em um concurso dos idos de 2015, nomeação esta que eu tinha poucas esperanças que ainda pudesse acontecer. No momento em que saiu a nomeação comecei da acordar 3h30, 4h00, 4h30, 3h30 novamente. Praticamente não dormia. Entretanto, não pensei duas vezes. Se Deus me deu esta chance de iniciar um novo ciclo em minha vida, eu não poderia desperdiçar.

No dia 10 de dezembro de 2020, em plena pandemia, tomei posse, ao lado de outros 11 novos Defensores Públicos no Estado do Pará. Esses novos Defensores não são só colegas de profissão, mas hoje amigos que, cada um do seu jeito, foi incentivando o outro a não desistir do seu sonho: ser Defensor Público. Eu sempre quis ser Defensor Público, ajudar os pobres na área em que tenho mais conhecimento que é a do Direito.

A vontade de ajudar ao próximo é tão verdade que me arrepio quando digito este texto, às 14h09 do dia 7 de maio de 2021, uma sexta-feira à tarde, na quente Breves, “capital” da maior ilha fluvial do mundo, a ilha do Marajó (cidade onde iniciei a minha jornada aqui no Pará em fevereiro último), bem distante da minha terra natal Vitória, momentos antes de ir para a Defensoria elaborar um recurso de um assistido que foi condenado a pagar 30% de um salário-mínimo de pensão alimentícia para um filho, mas, por ter outra família, afirma somente ter condições de pagar 20% do mesmo salário-mínimo, sendo que o pedido inicial do filho foi de 30% do salário dele, mas ele tem mais outros dois filhos, faz faculdade particular e tem despesas com transporte para o trabalho, sem prejuízo de ter que ter dinheiro para sobreviver.

Muitos podem me chamar de louco de largar uma vida de conforto em prol de um desafio de vida. Sempre digo para as pessoas para as quais eu tenho a oportunidade, me utilizando de trecho do filme “O Clube do Imperador”, que, um dia, cada um de nós terá que prestar contas da própria vida para si mesmo, olhar para o espelho e se fazer duas perguntas: o que eu fiz da minha vida? Em que eu melhorei o ambiente aonde vivo? Pois bem, eu não tenho a menor dúvida de que, independentemente do que aconteça amanhã, eu tomei a decisão certa em iniciar um novo ciclo na minha vida.

Concluindo, se tem um conselho que eu posso dar a quem está lendo este texto é que, busque se realizar profissionalmente, trabalhar naquilo que lhe dá prazer, pois será uma terapia diária – meu modelo de ser humano, ao lado da minha mãe, me ensinou isso-, pois, as demais coisas da vida vão aparecendo e se encaixando naturalmente.

Obs: Este espaço passará a ser destinado ao compartilhamento de casos diários que aparecem na minha vida de Defensor. Espero poder estar escrevendo, ao menos, semanalmente aqui.

Jairo Maia Júnior é Defensor Público em Breves, Pará

 

Veja também

Gato-cai-de-predio-e-bombeiros-fazem-resgate-delicado

Gato cai de prédio e bombeiros fazem resgate delicado

Estado-recebe-doacao-de-158-capacetes-ELMOs-para-pacientes-com-Covid-19

Estado recebe doação de 158 capacetes ELMOs para pacientes com Covid-19

bate-papo final

Bate-papo com o Montanhas #02

Letreiros-de-bem-vindo-a-Marechal-mais-visiveis-apos-corte-de-capim-2

Letreiros de “bem vindo a Marechal” mais visíveis após corte de capim

Vacina-Covid-19idosos-representam-65-dos-que-nao-retornaram-para-a-segunda-dose-da-Fiocruz

Vacina Covid-19: idosos representam 65% dos que não retornaram para a segunda dose da Fiocruz

Municipios-ampliam-vacinacao-contra-a-Covid-19-para-tres-turnos

Municípios ampliam vacinação contra a Covid-19 para três turnos

Comunidade-de-Marechal-Floriano-tera-mais-esgotos-tratados-2

Comunidade de Marechal Floriano terá mais esgotos tratados

Aplicativo-dinamiza-aulas-de-Projeto-de-Vida-em-escola-de-Domingos-Martins

Aplicativo dinamiza aulas de Projeto de Vida em escola de Domingos Martins

Ultimos artigos de Nosso Direito

Os relacionamentos da sociedade moderna

A agressão como combustível de mais amor

Sair da zona de conforto

O Direito fundamental á vida na pandemia de covid-19: uma crise sanitária que interfere na atuação do Instituto Nacional do Seguro Social

A falta de vontade política em diminuir a desigualdade social