Rio tem cesta básica de consumo familiar mensal mais cara entre capitais

Publicado em 10/11/2021 às 20:50

Compartilhe

104478


source
Nova plataforma, da Horus Inteligência e Ibre/FGV, mostra que o carioca gasta, em média, R$ 809 na compra comum e R$ 1.728 na ampliada
Reprodução/iG Minas Gerais

Nova plataforma, da Horus Inteligência e Ibre/FGV, mostra que o carioca gasta, em média, R$ 809 na compra comum e R$ 1.728 na ampliada

Em outubro, asfamílias cariocas foram os que mais sentiram o peso da inflação nos alimentos,gastando, em média, R$ 809 na compra de uma cesta básica comum, que considera opreço de 22 alimentos. Já na ampliada, que são 50 produtos e inclui bebidas e itens delimpeza, higiene e beleza, a média é de R$ 1.728.

Os dados sãoda plataforma Cesta de Consumo, desenvolvida em parceria pela empresa deinteligência de mercado Horus e o Instituto Brasileiro de Economia daFundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a qual foi lançada nesta quarta-feira. O sitefaz o monitoramento da variação de preço de duas cestas de consumo típicas dosbrasileiros pela análise da leitura mensal de mais de 35 milhões de notasfiscais.

Oacompanhando é feito nas principais capitais. Além de Rio, São Paulo,Fortaleza, Brasília, Curitiba, Manaus, Salvador e Belo Horizonte.

Depois do Rio, a cesta básica mais cara foi São Paulo (R$775,90), seguida por Fortaleza (R$ 714,80). Por outro lado, as capitais BeloHorizonte (R$ 518,50), Curitiba (R$ 592,10) e Brasília (R$ 597,10) registraramos menores valores.

Se considerar a variação de setembro para outubro, o valorda cesta de consumo básica aumentou em todas as capitais, menos na mineira. Asmaiores altas foram registradas em Curitiba (7,6%), Salvador (3,8%) e São Paulo(3,0%), em relação a setembro de 2021.

Leia Também

Xepa da carne

Legumes mais caros

Na plataforma é possível ver o preço e variações por cidade e produto. Por exemplo, o arroz em outubro custava em média R$ 4,50 em Brasília; R$ 5,06 em Curitiba; e R$ $,70 em Fortaleza.

No geral, as maiores altas no mês passado foram puxadas por legumes, açúcar, café em pó, margarina e frango, o que vem alinhado com a divulgação do IBGE, também de hoje, do IPCA. Estes alimentos estão entre os que mais pesaram na inflação oficial de outubro no país.

Já ovo, arroz e feijão foram os que apresentam quedas mais relevantes na pesquisada Cesta de Consumo, da Horus-Ibre/FGV.

Roberta Carvalho, responsável técnica do projeto pelaIbre/FGV, explica que a pesquisa analisa também as subcategorias conforme aregionalidade. Por exemplo, feijão preto no Rio e feijão carioca em São Paulo,visto que o consumo se diferente em cada local.

“Fizemos um estudo para entender o volume que uma família consome em média. Por exemplo,farinha de mandioca consome mais no Nordeste do que Sudeste, por isso tem diferença nas cidades”, complementa a diretora de Novos Negócios da Horus, Luiza Zacharias.

Veja também

© Pedro Souza/Atlético/Direitos Reservados

Já campeão, Atlético-MG recebe Bragantino em reencontro com torcida

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia