Fórmula 1 planeja “mudança de foco para energia elétrica”

Publicado em 15/12/2021 às 23:20

Compartilhe

© Pool via Reuters/Kamran Jebreili/Direitos Reservados


A Fórmula 1 terá um foco maior na energia elétrica a partir de 2026, quando um novo motor, mais barato e ecologicamente correto, for introduzido, disse a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) nesta quarta-feira (15).

A entidade delineou os principais objetivos e uma estrutura para os regulamentos em um comunicado após reunião em Paris.

Quatro pilares principais foram listados: manter o motor V6 de 1,6 litro, aumentar a potência elétrica para 350 kW, eliminar o componente MGU-H que gera energia a partir do calor e introduzir um limite de custo para o motor.

A FIA disse que deseja enviar uma mensagem ambiental poderosa, com combustível 100% sustentável e “mudança de foco para energia elétrica”.

Também quer possibilitar que novos fabricantes de motores ingressem no esporte em um nível competitivo.

A Fórmula 1 atualmente tem apenas Mercedes, Ferrari e Renault como fabricantes de motores, enquanto a Red Bull está assumindo a tecnologia da Honda após a saída da fabricante japonesa no final deste ano.

O Grupo Volkswagen, dono da Audi e da Porsche, teria discutido a possibilidade de entrar na Fórmula 1, aguardando decisão sobre se o esporte vai seguir os planos de mudar para combustíveis sintéticos até 2026.

Veja também

© Rovena Rosa/Agência Brasil

Saúde: 53 milhões de brasileiros estão aptos a tomar dose de reforço

114688

Conta de luz terá bandeira verde em fevereiro para os mais pobres

© Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

Recursos para programas sociais triplicaram, diz ministro da Cidadania

© Tânia Rêgo/Agência Brasil

Covid-19: Brasil bate 25 milhões de casos de infectados

114682

Governo pagará bolsas a jovens e desempregados acima de 50 anos

114680

Petrobras e “Odebretch” desistem de oferta e ação da Braskem sobe 10%

114678

Aprenda a fugir de golpes em 5 passos

© Rovena Rosa/Agência Brasil

Anvisa alerta sobre diferença de vacinas pediátricas contra a covid-19