Em 12 meses, inflação de cesta básica bate 16%

Publicado em 22/10/2021 às 08:21

Compartilhe

101581


source
Alimentos pesam mais para os menos favorecidos
Agencia Brasil/reprodução

Alimentos pesam mais para os menos favorecidos

A cesta básica já acumula inflação de 16% nos últimos 12 meses, indica uma pesquisa lançada por professores do curso de Economia da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) divulgada pela Folha de São Paulo. 

A inflação dos alimentos pesa mais no bolso dos mais pobres e as razões para a alta dos preços engloba uma série de fatores, desde a alta do dólar até efeitos climáticos como secas e geadas. A alta das commodities agrícolas no mercado internacional durante a pandemia também afeta o preço.

Segundo a PUCPR, os 13 produtos que formam a cesta básica acumularam inflação de 15,96% em 12 meses até setembro no país. Em termo de comparação, o IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, está em 10,25% no mesmo período.

“Fomos até a base de dados do IBGE e separamos os 13 alimentos que compõem a cesta básica. Rodamos o mesmo modelo estatístico do IPCA para calcular a inflação específica desses produtos”, conta à Folha o economista Jackson Bittencourt, coordenador do curso de Economia da PUCPR.

“Estamos olhando para aquilo que é considerado o mínimo para as pessoas colocarem na mesa. O problema é que esse mínimo vem subindo muito”, completa.

Entre os itens com as maiores altas estão:

Leia Também

  • açúcar cristal (38,37%);
  • o óleo de soja (32,06%);
  • o café moído (28,54%);
  • o contrafilé (26,88%);
  • a margarina (24,97%);
  • a batata inglesa (24,71%);
  • o tomate (24,32%).

“Por que a taxa de câmbio vem subindo? Porque houve uma insegurança no mercado relacionada à pandemia. No caso do Brasil, também há uma insegurança em relação ao próprio governo. A instabilidade política gera uma instabilidade macroeconômica”, afirma o professor.

Ele espera que a inflação dos alimentos desacelere no fim do ano, mas alega que há um nítido “empobrecimentos das famílias brasileiras”.

Em setembro, o custo médio da cesta básica aumentou em 11 das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Isso fez com que nesse mês o trabalhador que recebeu um salário mínimo (R$ 1.100) comprometeu 56,53% de sua remuneração líquida (após o desconto da Previdência Social) para a compra de alimentos básicos.




Veja também

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele