Corpo de Bombeiros combate incêndio em antigo galpão de recicláveis

Publicado em 02/10/2020 às 11:35

Compartilhe

Na noite desta quinta-feira (1º), na estrada vicinal que leva à localidade de Panelas, a cerca de dois quilômetros da Sede Campinho, em Domingos Martins, pilhas de forro de madeira, viraram chamas, por volta das 20 horas e causou curiosidade para alguns moradores e pessoas que passavam pela região.

Clique abaixo e assista ao vídeo do combate às chamas

As chamas que tomaram conta de parte do fundo do galpão, onde há algum tempo funcionou como depósito de produtos recicláveis, também queimaram outros materiais combustíveis, como os armários de mdf. Rapidamente, a equipe de bombeiros, chefiada pelo Capitão Diógenes, seguiu para o local, onde foi estabelecida uma linha com três mangueiras e as chamas foram contidas.

Corpo de Bombeiros combate incêndio em antigo galpão de recicláveis “O fogo se alastrou rapidamente, eu tentei fazer alguma coisa ainda, mas não resolveu. Foi então que tivemos que acionar os bombeiros”, afirmou um dos responsáveis pela área. O foco do incêndio foi totalmente controlado em torno de uma hora depois do início dos trabalhos. Ainda não se sabe a causa do incêndio e não houve registros de feridos.

Veja também

© Samara Miranda/Remo/Direitos Reservados

Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

© Reuters/Denis Balibouse/ Direitos Reservados

Brasil recebe mais dois lotes de vacinas da Pfizer

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

CCJ da Câmara aprova admissibilidade da PEC dos Precatórios

© Gaspar Nóbrega/COB/Direitos Reservados

Brasil vence Argentina no Sul-Americano de vôlei feminino

© Bruno Haddad/Cruzeiro/Direitos reservados

Série B: VAR anula gol nos acréscimos e Cruzeiro empata com Operário

© Rafael Ribeiro/Vasco/Direitos Reservados

CRB arranca empate com o Vasco na 24ª rodada da Série B

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

Decreto aumenta alíquotas do IOF para custear novo Bolsa Família

© Rovena Rosa/Agência Brasil

CoronaVac dá proteção acima de 90% a quem tem comorbidades, diz estudo