Como usar o cartão de crédito como aliado na organização das finanças pessoais?

Publicado em 22/11/2021 às 14:21

Compartilhe

106185


source

Todo mundo tem alguém na família que já se endividou com o cartão de crédito. Considerado um erro comum, a pessoa acaba gastando mais do que ganha. Além disso, devido a juros e multa, esse tipo de dívida costuma virar uma bola de neve pronta para esmagar suas finanças pessoais .

Para fugir do descontrole, muitas pessoas optam por ne m sequer ter um cartão de crédito por perto. Ou seja, ao invés de aprender a se controlar, ou buscar a melhor forma de utilizar essa ferramenta, alguns simplesmente deletam a opção de suas vidas.

Mas, e se houver uma possibilidade do cartão de crédito ser extremamente útil para facilitar a vida financeira e ajudar a controlar o bolso?

Veja de uma vez por todas se o cartão de crédito é aliado ou inimigo das suas finanças pessoais:

Leia Também

Vantagens do crédito

O cartão de crédito, na prática, é um benefício que o banco, ou determinada instituição, oferece para que o cliente compre e pague depois. Isso por si só pode ser um benefício em momentos que não tem como pagar, mas sabe que terá o dinheiro depois. Normalmente, essa costuma ser uma carta na manga para emergências.

Além disso, o uso do crédito pode ajudar a organizar a entrada e saída de dinheiro da conta, e ainda fornecer benefícios, como descontos e milhas. Vale lembrar que a maioria dos cartões de crédito deixaram de cobrar taxas de anuidade, assim como agora oferecem cashback.

Leia Também

Perigo mora ao lado

De acordo com Luciana Ikedo, assessora de investimentos, CEO e fundadora do escritório Ikedo Investimentos, o verdadeiro perigo do cartão de crédito é achar que os benefícios oferecidos por ele são uma extensão de sua renda mensal.

Além disso, é importante ressaltar que o cartão de crédito possui uma taxa de juros rotativo, que subiu de 293,3% ao ano em novembro, para 301,9% em dezembro do ano passado, de acordo com o Banco Central .

“Seguir no automático e fazer pequenas compras com frequência, por exemplo, pode acabar se tornando uma grande e cara armadilha para o bolso, devido justamente aos juros”, afirmou Ikedo.

Quanto menor os valores, maior a atenção

Outro cuidado é com os gastos de valores pequenos, pois a soma deles pode apresentar valores salgados e inesperados no final do mês. Além disso, outra questão é evitar o valor mínimo da fatura. Afinal, há grandes possibilidades desse ato fazer a pessoa perder o controle da dívida e transformar toda a situação em um grande transtorno.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

Veja também

107595

Estados querem adiar decisão do STF que proíbe ICMS maior; entenda

107593

MP do Auxílio Brasil deve ser votada hoje no Senado

107591

“Flanelinhas” do Leblon não ganham R$ 4 mil por mês, como disse Marinho

© Pedro Souza/Atlético/Direitos Reservados

Atlético-MG visita preocupado Bahia e garante bi em caso de vitória

107587

Câmara aprova fornecimento de água e seguro a entregadores de aplicativo

107585

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena; prêmio acumula em R$ 16 milhões

107583

Jovem deixa a faculdade e decide virar nômade: “Infinitas possibilidades”

© Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

Seleção feminina encerra temporada com título do Torneio de Manaus