Auxílio emergencial chega ao fim e deixa 25 milhões sem renda após 16 meses

Publicado em 19/11/2021 às 07:20

Compartilhe

105818


source
Auxílio Emergencial
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Auxílio Emergencial

Após 16 meses, esta sexta-feira (18) marca o fim dos pagamentos do Auxílio Emergencial — criado durante a pandemia de Covid-19 para socorrer trabalhadores que ficaram sem emprego e renda no isolamento social. De acordo com Daniel Duque, pesquisador da área de Economia Aplicada do FGV IBRE, no auge dos efeitos do benefício, a pobreza diminuiu no país, mesmo diante da pandemia. Em 2019, 6,6% dos brasileiros estavam em extrema pobreza e 24% em pobreza não extrema. Em julho de 2020, no entanto, essas taxas tinham caído para 2,4% e 20,3%.

Mas, atualmente, as taxas pioraram: 7% dos brasileiros estão em extrema pobreza e 27% em pobreza não extrema. As informações são extraídas com base em dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua e da Pnad Covid-19 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pelos cálculos da Rede Brasileira de Renda Básica (RBRB) pelo menos 25 milhões de trabalhadores que recebiam o auxílio emergencial ficarão sem renda após o fim do programa, e não serão incorporados ao Auxílio Brasil. O levantamento foi feito a partir dos dados divulgados pelo Ministério da Cidadania.

“Em 2020, o auxílio emergencial chegava a cerca de metade dos domicílios brasileiros e era de R$ 600. Mas com a suspensão do programa no primeiro trimestre deste ano e a volta com o valor reduzido a R$ 300, a pobreza volta a crescer”, pontua Daniel Duque, para quem isso explica os erros e acertos do programa social: “O acerto então foi a cobertura e o valor. Conseguiu reverter os efeitos da pandemia sobre a pobreza e o consumo. E o principal erro foi a não determinação do governo sobre as mudanças que iam ocorrer ao longo desses dois anos, ou seja, erros de planejamento e clareza sobre como ia funcionar. Houve uma suspensão do programa com clara motivação de obrigar as pessoas a voltarem ao mercado de trabalho e muita indefinição sobre os valores.”

Para ele, a redução no valor do auxílio, que precisaria acontecer, deveria ter sido feita através de uma transição mais lenta: de R$ 600 para R$ 500, depois para R$ 400 e assim por diante. Daniel também não avalia que é cedo para acabar com a ajuda emergencial, mas que o sucesso dele num primeiro momento mostra a necessidade de uma transição — que também deveria acontecer aos poucos, até o fim do ano — para um programa mais robusto e permanente, como o Auxílio Brasil, mesmo vendo problemas em seu formato.

Já na avaliação de Paola Loureiro Carvalho, especialista em gestão de políticas públicas e diretora de Relações Institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica, além de conter o avanço da pobreza e extrema pobreza, outro ponto positivo foi o de fomentar o debate sobre a importância de uma renda mínima básica para a população mais vulnerável.

Ela pontua, no entanto, que houve falha na execução do programa especialmente porque o auxílio não foi articulado com estados e municípios, responsáveis pelo cadastro das famílias em políticas sociais, e se valeu de um aplicativo para cadastro e concessão, o que gerou inúmeros problemas. Paola Carvalho aponta ainda que as planilhas e mecanismos do governo utilizados no cruzamento de dados para o pagamento do benefício se mostraram falhos devido ao número de fraudes constatadas e do volume de recursos pagos indevidamente.

“Usar um aplicativo sem considerar uma desigualdade regional gigantesca, dificuldade de acesso e dependência de um smartphone, em um país sem cultura digital ainda mais para os vulneráveis. E agora, quando criam o Auxilio Brasil, o governo não fez um trabalho continuado de migrar o cadastro do auxílio emergencial do aplicativo para o Cadastro Único, que seria uma base de dados única, capaz de mostrar a situação real e atualizada dessas famílias”, ressalta Paola.

Leia Também

No primeiro mês de pagamento do auxílio este ano, 39,4 milhões de pessoas receberam a renda, segundo dados do Ministério da Cidadania. No ano passado, o número de atendidos chegou a 68,1 milhões. Agora, somente 14,6 milhões de pessoas, que faziam parte do Programa Bolsa Família, continuam recebendo o novo Auxílio Brasil.

“Quando a gente vê as filas gigantes nos Cras (Centros Regionais de Assistência Social), e nas agências da Caixa, são pessoas desesperadas em situação de desinformação em relação à política pública e sem processo de transição.”

O auxílio emergencial para o Auxílio Brasil, em risco altíssimo de fome e miséria. Uma pesquisa do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional do Ministério da Saúde mostra que somente 26% das crianças de 2 a 9 anos atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) conseguem fazer três refeições por dia – destaca a coordenadora da Rede Renda Básica.

A renda emergencial para quase 68 milhões de pessoas no auge do pagamento do auxílio, ao custo total de R$ 292, 9 bilhões para os cofres públicos, reduziu o índice de Gini, que mede a desigualdade numa sociedade, de 0,53 para 0,47. Ele ficou abaixo de 0,50 pela primeira vez no Brasil, segundo estudo dos economistas Naércio Menezes Filho, Bruno Komatsu e João Pedro Rosa. Quanto mais próximo de 1, mais desigualdade.

“O Auxílio Brasil inicia seu pagamento e as famílias não sabem como o programa vai funcionar. E o que vai fazer o contingente da população desempregada, em situação de pobreza, a lista de espera do Bolsa Família que já tinha antes da pandemia. Não há espaço para pessoas que perderam membros da família para Covid, para quem adoeceu, quem está desempregado e não conseguiu se estruturar”, observa Paola.

Veja também

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele