Auxílio Brasil precisa existir, mas dentro teto de gastos, defende Pacheco

Publicado em 21/10/2021 às 19:50

Compartilhe

101517


source
Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, defende que Auxílio Brasil exista sem ferir o teto de gastos
Jefferson Rudy/Agência Senado

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, defende que Auxílio Brasil exista sem ferir o teto de gastos

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), defendeu nesta quinta-feira (21) que o aumento do programa Bolsa Família, que será substituído pelo Auxílio Brasil , respeite o teto de gastos públicos . Ele não descartou, entretanto, a possibilidade de uma revisão das regras de correção do teto como forma de abrir espaço no Orçamento de 2022 para pagar a nova quantia do benefício – estimada em pelo menos R$ 400 pelo governo federal.

“O ponto principal é que nós temos a obrigação de dar solução, de um jeito ou de outro, à questão do programa social. É preciso socorrer cerca de 17 milhões de famílias que precisam ter esse socorro que seja consistente e possa atualizar minimamente a capacidade de compra. É evidente que defendemos que seja incrementado esse valor dentro daquilo que pregamos sempre que é a responsabilidade fiscal. É importante encontrarmos a matemática e a equação capaz de inserir dentro do teto de gastos públicos esse programa social”, disse Pacheco.

Ele destacou que tem mantido reuniões sobre o tema com integrantes do governo. Ontem, Pacheco recebeu o ministro da Economia, Paulo Guedes, para uma conversa. Hoje foi a vez dos ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, e da Cidadania, João Roma, juntamente com o relator da Proposta de Emenda à Constituição dos Precatórios na Câmara, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB).

Segundo Pacheco, o objetivo dos envolvidos é buscar uma “equação possível, de solucionar o programa social dentro do teto”. O presidente do Senado frisou que a Casa possui um compromisso com o limite de gastos.

Leia Também

“O outro problema, que na verdade é pressuposto para a solução, é dos precatórios . Precatório é dívida, tem que ser paga, no entanto tem que se respeitar o teto de gastos que foi concebido desde 2016. É preciso atualizar o valor pago dos precatórios, dentro do teto, e o saldo que não comportar dentro do teto poder ser objeto de negócios jurídicos dos mais diversos, como recebimento de ativos da União, pagamento de outorgas onerosas, pagamento de dívidas fiscais.”

Leia Também

“São soluções inteligentes que fazem conciliar a responsabilidade fiscal, que nós pregamos, é fundamental que tenha e é um compromisso do Senado Federal, mas, por outro lado, a obrigatoriedade de se dar solução ao problema dos precatórios e, o mais importante, efetivar o programa social dentro de um valor condizente”, acrescentou o presidente do Senado.

Questionado sobre a ideia de rever as regras de correção do teto de gastos, Pacheco afirmou que essa solução pode ser “até mais justa” do que o formato atual.

“O que há de proposta, segundo eu soube, na Câmara, não é alteração do teto, mas uma redefinição da regra relacionada à correção desse teto de gastos, ao invés de ser de meados de um ano até meados de outro ano, se fazer de janeiro até dezembro. Essa é uma avaliação que deve ser feita. Pode ser até que essa solução de parametrização possa até ser mais justa”,  avaliou.

Veja também

© Washington Alves/COB/Direitos Reservados

Basquete: Brasil derrota Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Covid-19: ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países

© Felipe Oliveira/EC Bahia/Direitos Reservados

Brasileiro: Bahia derrota Grêmio por 3 a 1 e deixa Z4

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

© Fernando Brito/MS

Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

106933

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

106931

INSS: Normas temporárias para concessão de auxílio é constitucional, decide STF

106929

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022