Verão na Europa: Mais de 61 mil pessoas podem ter morrido durante ondas de calor do verão passado, mostra pesquisa

Publicado em 11/07/2023 às 08:54

Compartilhe

termometro-1

Foto: Freepik

Mais de 61.000 pessoas podem ter morrido durante as sufocantes ondas de calor da Europa no verão passado, de acordo com uma nova pesquisa, sugerindo que os esforços de preparação para o calor dos países estão falhando fatalmente.

O estudo de pesquisadores de institutos de saúde europeus estimou que mais de 61.600 pessoas morreram de causas relacionadas ao calor em 35 países europeus do final de maio ao início de setembro de 2022, durante o verão mais quente já registrado na Europa.

O estudo, publicado nesta segunda-feira na revista Nature Medicine, concluiu que países do Mediterrâneo — Grécia, Itália, Portugal e Espanha — tiveram a maior taxa de mortalidade de acordo com o tamanho da população. “O Mediterrâneo é afetado pela desertificação, as ondas de calor são amplificadas durante o verão apenas por causa dessas condições mais secas”, disse o coautor do estudo Joan Ballester, professor do Instituto de Saúde Global de Barcelona.

Em um verão em que os países europeus foram atingidos por intensos incêndios florestais e seca, Portugal registrou um pico de temperatura de 47ºC em julho ? um pouco abaixo da temperatura mais alta já registrada no país, de 47,3ºC em 2003.

Em números absolutos, Itália, Espanha e Alemanha tiveram o maior número de vidas perdidas devido ao calor, com 18.010; 11.324; e 8.173 mortes, respectivamente. À medida que as mudanças climáticas causadas pelo homem aumentam as temperaturas, as ondas de calor estão se tornando mais frequentes e severas. O calor extremo pode matar causando insolação ou agravando doenças cardiovasculares e respiratórias, sendo os idosos os mais vulneráveis.

Os pesquisadores usaram modelos epidemiológicos para analisar quantas mortes poderiam estar diretamente ligadas ao calor, de todas as mortes em excesso que os países europeus registraram no verão passado ? uma taxa de mortalidade em excesso incomumente alta.

Países como a França introduziram planos nacionais para lidar com temperaturas intensas após ondas de calor mortais na Europa em 2003 – com sistemas de alerta precoce e mais resfriamento de espaços verdes nas cidades entre as medidas.

Mas os pesquisadores disseram que o alto número de mortos no ano passado sugere que essas estratégias estão falhando e devem ser fortalecidas com urgência.

Fonte: Portal UOL

Veja também

Drymoluber-brazili_ThiagoMarcial-capa-2

Espécies raras de cobras são redescobertas no Espírito Santo depois de décadas

agro-04-03-incaper

Incaper e parceiros vão promover eventos para valorização e empoderamento da mulher rural

capa-coluna-vida-saudavel

Epidemia de obesidade afeta mais de 62,6% das mulheres no Brasil

mundo-04-03-Divulgacao-UNRWA

Israel aceita acordo de cessar-fogo por seis semanas, diz EUA

policia-04-03-Ayrton-Freire-Inter-TV-Cabugi

Fugitivos de Mossoró invadem galpão de fazenda e polícia faz cerco

dengue-ms

Espírito Santo recebe lançamento de campanha nacional contra a dengue

cafe-conefora

Café canéfora tem zoneamento de risco climático atualizado

agropecuaria

Crescimento da economia brasileira é impulsionado pela alta de 15% da agropecuária em 2023