Terapeutas ocupacionais compartilham rotina de atuação nas Residências em Saúde do Estado

Publicado em 21/01/2024 às 05:57

Compartilhe

terapeuta

Para celebrar o Dia Mundial do Terapeuta Ocupacional, lembrado em 19 de janeiro, residentes do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi) compartilham suas vivências nos campos de prática. A terapia ocupacional é uma das categorias de Residências em Saúde do ICEPi, que envolve atividades realizadas por uma equipe multiprofissional, com atendimentos individuais e em grupo, como o de gestantes e idosos, por exemplo.

Também são realizadas ações educativas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e em escolas, discussões de casos, visitas e atendimentos domiciliares, entre outras. Residente em Saúde da Família, Pâmela Rabelo diz que a oportunidade de atuar com diversos profissionais permite a troca de visões e experiências e contribui para o aprimoramento da prática em prol de um objetivo comum: “o bem-estar físico, mental e social do usuário do Sistema Único de Saúde (SUS)”, pontuou. 

Para o residente em Cuidados Paliativos Yann Araújo Guimarães, a inclusão da Terapia Ocupacional na composição de equipes multiprofissionais evidencia as possibilidades de atuação dentro da profissão e gera mais discussões científicas para a área. 

“O que eu gosto na Terapia Ocupacional é a forma de ver o mundo e solucionar desafios. As abordagens são amplas e múltiplas, para todas as idades. Minha atuação está mais voltada aos cuidados para a prevenção de lesões, atividades de estímulo ou reabilitação e também ao trabalho com os familiares dos pacientes”, disse Guimarães. 

A coordenadora da Residência em Saúde Mental, Daniele Stange, que também é terapeuta ocupacional, salientou que a motivação para escolher a profissão veio da ampla possibilidade de atuação. 

“A Terapia Ocupacional está nos diferentes níveis de Atenção à Saúde, desde as equipes de Atenção Primária, passando pelos serviços especializados que compõem o SUS, a atenção hospitalar e até na gestão. Além disso, a profissão ganhou um campo de atuação relevante também nas políticas de assistência social e na educação. É muito importante a presença desses profissionais nas residências do ICEPi, que têm inserido terapeutas ocupacionais em alguns municípios pela primeira vez na história”, frisou a coordenadora Daniele Stange.

Percepção dos usuários 

Os benefícios trazidos pela atuação dos terapeutas ocupacionais são perceptíveis para quem é acompanhado nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Claudia Caetano é uma das participantes de um grupo de pais e responsáveis por crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). O grupo é desenvolvido na UBS de Araçás, em Vila Velha, onde atua a terapeuta ocupacional Pâmela Rabelo. 

“Esse trabalho em grupo tem ajudado muito o desenvolvimento do meu filho e também a comunidade em geral. Há muita troca de experiências entre os pais. Quanto ao atendimento individual, vejo uma melhora grande a partir das sessões de terapia que ele realiza”, ressaltou Claudia Caetano. 

Para o aposentado Luis Batista, é de extrema importância o acompanhamento que a esposa recebe no âmbito da terapia ocupacional, na Unidade de Boa Vista, na Serra, onde atua o residente Yann Araujo. “É um atendimento feito com muita atenção, carinho e profissionalismo, o que faz muito bem para a minha esposa. A Terapia Ocupacional faria muita falta se não existisse”, disse.

Residências em Saúde 

As residências formam profissionais de saúde especialistas, com a promoção de atributos que possibilitam o exercício profissional com excelência nas áreas de cuidado integral à saúde, visando à melhoria da qualidade de vida da comunidade. 

O ICEPi conta com três Residências em Saúde que abrem vagas para terapeutas ocupacionais: Cuidados Paliativos, Saúde da Família e Saúde Mental. Os campos de práticas estão divididos em UBS e também hospitais. A residência de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência também abrirá vaga para a profissão. 

Os residentes têm seu processo de formação baseado em metodologias inovadoras de ensino-aprendizagem, com 80% da carga horária dedicada para atividades práticas e 20% dedicada para a abordagem de temas, como a competência do cuidado, da gestão, da investigação e da educação em saúde.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Sesa

Veja também

geral-15-04-ft-reproducao

Inmet emite alerta de ciclone extratropical e chuva intensa no sul do Brasil

geral-15-04-ft-Agencia-Brasil

Terceiro lote do abono salarial PIS/Pasep é pago nesta segunda-feira

agro-15-04-Tatiana-Caus-Incaper

Jardim Clonal Superadensado de Marilândia é exemplo de como plantar mais em espaço reduzido

chagas

Brasil investe em pesquisa e luta pela sua eliminação como problema de saúde pública

futebol-nas-montanhas

Hoje a bola rola para 3ª rodada do Campeonato Intermunicipal de Futebol Masculino nas montanhas

cafe

No Dia Mundial do Café, conheça curiosidades da segunda bebida mais consumida no mundo

arroz

Conheça as principais diferenças nutricionais de três tipos de arroz

Dinheiro apreendido

Homem detido com mais de R$ 1 milhão no carro disse que dinheiro seria para comprar roupa em São Paulo