Aos piores professores que eu já tive

Anaximandro Amorim , 03 Novembro 2017

Aos piores professores que eu já tive

Revanchismo? Nem um pouco! Não vou ser deselegante, citando nomes. Essa não é a pretensão deste texto. Mas, oras, se até quem não é bom tem algo a nos ensinar! Lembro-me, ainda na tenra idade, na época das “tias”, de uma, o primeiro mau exemplo. Não entendia por que ela era tão impaciente. E não era só comigo. Um belo dia, ao voltar de recreio, haviam escrito poucas e boas sobre ela, na lousa, às escondidas. Letra de “menina”. Que alívio! Saímos todos, deixamos as colegas. Tenho em minhas redes sociais, até hoje, a que “comandou” a ação. Acho que ela nem deve se lembrar mais disso!

Eu também me lembro de um outro. Ele lecionava Educação Física, matéria que, pasme, me arrepiava, por um simples motivo: pequeno e franzino, não tinha força física para aguentar o futebol, o vôlei ou o basquete. O fato de ser um “mau aluno” fez com que ele me marcasse, o ano todo. Faltou apenas um mínimo de compreensão, que o professor das séries seguintes teve. “Fique à vontade”, disse este. Tímido, no início, comecei a me interessar e até arrisquei um vôlei. Nunca joguei bem. Mas, tentei. E não é que, no pré-vestibular, eu cheguei a sentir falta da matéria dele?

Mas, talvez, o pior tenha sido um, na minha faculdade. Ele simplesmente decidiu me perseguir porque eu tinha... boas notas! E quase tentou me reprovar. No último dia, recuou ao ver o meu histórico, não sem ter o “prazer” de me “brindar” com um sete, para me “ajudar a passar”. Houve quem o achasse benevolente. Nem liguei. Sei que aquela nota não corresponde aos meus conhecimentos, mas, a seis meses de assédio moral. Fiquei sabendo que eu fui a “bola da vez”: ele fazia isso todos os semestres. Hoje, ele é uma pessoa importante no meio jurídico. Que perigo!

Todos esses “professores” (e outros poucos que, felizmente, conto nos dedos) me ensinaram, ao menos, uma coisa: a não ser como eles. Sempre quis abraçar a carreira do magistério e, desde então, jurei para mim mesmo tentar sempre ser o melhor professor que eu quisesse ter tido. Deve ser muito difícil fazer o que não se gosta. Felizmente, não é comigo. Em todo caso, não os quero mal. Lembrar-me dos maus professores, faz com que eu louve ainda mais aqueles que me foram os verdadeiros mestres.

confira botao coluna 2

 

Histórico