Caldo de pinto

Mario Luis Martins de Almeida , 02 Agosto 2019

Caldo de pinto

caldodepintoEu me sinto um privilegiado, já declarei em outra publicação, por diversos motivos e, um deles, é fazer parte de uma Confraria de amigos de adolescência, há mais de 30 (isso mesmo, trinta!) anos! Nós somos dez amigos (entre engenheiros e médicos), com idades parecidas, que se conhecem desde os 17/ 18 anos e que se reúnem no sítio de um deles, em Domingos Martins, por um fim de semana 3 ou 4 vezes por ano. Os objetivos são: colocar as conversas em dia, já que não conseguimos fazer isso cotidianamente, cozinhar (aqueles que gostam e tem jeito...), degustar uns vinhos e as preparações gastronômicas geradas ali, jogar sinuca e bocha, tomar sauna e banho de piscina (quando o clima permite!), enfim, desfrutar de ótimos momentos junto com amigos muito queridos.

Os encontros funcionam da seguinte maneira: subimos na sexta-feira à tarde, um dos Confrades prepara o jantar, que saboreamos após a sauna e partidas de sinuca ou bocha, no sábado há um café da manhã, depois uma caminhada até o centro da cidade para realizar algumas compras, aí outro Confrade prepara o almoço, nos regalamos com sua preparação, depois uma soneca, à tardinha mais sauna, bocha ou sinuca e, finalmente, eu preparo uma sopa, pois é uma maneira de já iniciar a desaceleração para retornarmos aos nossos lares em Vitória no domingo de manhã!

No último, ocorrido neste mês de fevereiro próximo passado, a receita que escolhi foi a do “caldo de pinto”, substanciosa, simples e saborosa, com ingredientes fáceis de encontrar. Sou o responsável, ainda, de levar uma sobremesa, e nesta ocasião fiz um cuscuz de tapioca e côco coberta com leite condensado!

Comecei com a compra de 1 kg de aipim manteiga já descascado, na feira livre que acontece em Campinho todos os sábados, na barraca onde sou freguês há tempo. Também busquei na feira cebolinha verde, fresquinha, provavelmente plantada e colhida na região!

Comecei cozinhando o aipim em água salgada e adicionei a ela um cubinho de caldo de legumes. Quando ficou bem macio, retirei o “pavio” (aquela parte dura que fica no centro) e bati no liquidificador com a água do cozimento até formar um creme ralo. À parte refoguei no azeite, com um pouco de sal e uma colher de sopa de creme caseiro de alho e cebola, o conteúdo de um pacotinho com peito de frango desfiado, e reservei. Também à parte escaldei rodelas não muito finas de linguiça tipo “paio” e reservei.

Na hora de servir coloquei o creme de aipim numa panela grande e o aqueci, adicionei o frango desfiado, o paio e uma latinha de milho em conserva, misturei bem e, por cima de tudo, salpiquei uma boa porção de cebolinha verde picada, o que dá um sabor e um frescor inusitados. Durante o processo fatiei alguns pães franceses e torrei as fatias na misteira elétrica, para servir de acompanhamento.

Encerrada mais uma partida de sinuca, foram abertas umas garrafas de vinho para comemorar a vitória de uma das duplas (quer dizer, todos comemoraram!), a sopa e as torradas foram dispostas sobre a mesa e todos se deliciaram, modéstia à parte, com esta preparação! Em seguida um sono reparador, pois merecemos! Até a próxima!

 

confira botao coluna 2

 

Histórico