Filé de peixe no cartoccio

Mario Luis Martins de Almeida , 11 Abril 2019

Filé de peixe no cartoccio

cartoccio 4Esta receita, de origem italiana (cartoccio, em italiano, significa envelope), é muito simples e prática de preparar, não suja quase nada na cozinha (você vai precisar só de uma assadeira!) e é elegante em sua apresentação. E, ainda, como é uma porção individual, não há desperdícios, pois você monta tantos quantos forem seus convidados!

A preparação pode nos remeter à cozinha tradicional da região amazônica, com a diferença que lá eles usam a folha de bananeira para “embrulhar” o pescado, e o assam em um buraco cavado no chão, coberto com carvão em brasa!

Eu já utilizei filé de tilápia e ficou saborosíssimo. Mas outros peixes podem ser escolhidos, como o bacalhau fresco, polaca do Alasca, truta, salmão ou o linguado, por exemplo. Há quem use o peixe inteiro, algumas receitas recomendam postas, mas eu prefiro o filé...

Começo temperando os filés dos dois lados com um pouco de pasta caseira de alho e cebola, sal, pimenta do reino moída na hora e caldo de limão. Deixo os filés marinando na geladeira enquanto cuido dos legumes.

Para 6 pessoas eu uso 3 cenouras médias, descascadas e cortadas em bastões, 18 vagens francesas sem as pontas e cortadas em duas partes, para ficarem do mesmo tamanho, aproximadamente, dos bastões das cenouras, 2 abobrinhas verdes também cortadas em bastões (pode deixar a casca) e dois tomates médios, sem sementes, cortados da mesma forma que os outros vegetais.

Na sequência corto 6 folhas de papel alumínio com, mais ou menos, 30 cm por 30 cm, e disponho, em cada um, uma “cama” com as cenouras, as vagens e as cebolas. Coloco um filé em cada “cama”, arrumo os bastões de tomates por cima, espalho uma pitada de sal, rego com um fio de azeite e salpico salsinha verde fresca picada. Então dobro a folha de alumínio como se fosse um envelope e certifico-me que está bem vedado para não deixar escapar o vapor da água dos vegetais, que vai cozinhar e saborizar tudo.

Arrumo os envelopes numa assadeira, lado a lado, e coloco no forno médio preaquecido por uma hora. Após este tempo, disponho um envelope em cada prato e levo-os à mesa ainda fechados, pois os convidados irão, individualmente, abrir cada um o seu e, então, sentir, imediatamente, os aromas e perfumes que serão liberados antes de provar os sabores que a mistura de vegetais e temperos irá trazer a seus paladares! Pode ser acompanhado por um arroz branco ou uma salada, que irão “casar” muito bem...

Os envelopes podem ser incrementados com diversos outros vegetais, como cogumelos, palmito, couve-flor ou brócolis, pimentão amarelo ou vermelho, azeitonas fatiadas, alcaparras e outras ervas, como o funcho (erva doce), manjericão ou coentro, este tão ao gosto dos capixabas! Também podem ser adicionados camarões crus, aros de lula, pedaços de polvo cozido e outros frutos do mar!

Como bebida sugiro harmonizar com um vinho branco gelado, das uvas sauvignon blanc ou chardonnay, mas gosto não se discute... Quem sabe um espumante? Os fabricados no Brasil estão dando de “mil a zero” nos estrangeiros! Buon appetito e até a próxima!

confira botao coluna 2

 

Histórico