Senado analisa proposta que promete reduzir gasolina para R$ 5 e gás para R$ 65

Publicado em 07/12/2021 às 12:21

Compartilhe

108207


source
Senador fRogério Carvalho
Jefferson Rudy/ Agência Senado

Senador fRogério Carvalho

A CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado deve retomar nestaterça-feira (7) a votação do Projeto de Lei (PL) 1.472/2021, que propõe alternativas para conter a alta nos preços dos combustíveis. Segundo o autor da proposta original, Rogerio Carvalho (PT-SE), se aprovada, o lucro da Petrobras se manteria em 50%. O preço da gasolina reduziria dos atuais R$ 8, para R$ 5 e o gás de cozinha de R$ 120 para R$ 65.

Para Carvalho, a paridade internacional do preço (PPI) dos derivados de petróleo adotada pela Petrobras garante lucros exorbitantes a grandes acionistas da empresa, mas impacta pesadamente na inflação, e na consequente elevação da taxa de juros.

“Todo esse lucro da Petrobras está sendo pago pelo brasileiro na hora de consumir o combustível, e nos juros mais elevados”, reclamou. 

O presidente da CAE, Otto Alencar, considera a  matéria urgente e disse que a Casa não pode se omitir mediante à alta nos preços. 

“A única coisa que a CAE não poderá fazer é se omitir e deixar de votar. O governo parece que não entende que não há mais condições do povo suportar o gás de cozinha a 10% do salário mínimo, e a gasolina custando R$ 8, até R$ 9. Quem está pagando a conta são as pessoas de menor poder aquisitivo. É preciso encontrar uma saída para o país nesta questão dos combustíveis”, afirmou o presidente da CAE, Otto Alencar (PSD-BA). 

Entenda o projeto

O Projeto de Lei determina que os preços internos praticados por produtores e importadores de gasolina, diesel e gás liquefeito de petróleo deverão ter como referência as cotações médias do mercado internacional, custos internos de produção e custos de importação, desde que aplicáveis.

Leia Também

O projeto também determina que o Poder Executivo regulamente a utilização de bandas de preços com a finalidade de estabelecer limites na variação dos preços dos combustíveis, definindo a frequência de reajustes e os mecanismos de compensação. Este mecanismo determina um limite máximo para as variações dos valores do petróleo no varejo, evitando aumentos abruptos.

Fundo de estabilização

Rogério Carvalho também propôs que um sistema de bandas seja viabilizado com a criação de um fundo de estabilização nos preços dos combustíveis. No entanto, o relator Jean Paul Prates (PT-RN) retirou tal ponto por haver vício de iniciativa. 

“Apesar do mérito incontestável, há vício de competência legislativa do artigo que cria o Fundo de Estabilização. Razão pela qual propomos um ajuste de redação, mas mantendo o objetivo, qual seja, dispor de instrumentos de estabilização nos preços dos derivados de petróleo. Trata-se de um fundo especial de natureza contábil, e sendo assim não pode ser criado por PL de iniciativa parlamentar”, explica o senador.

Também está na pauta da CAE o PLC 123/2021, que propõe alterações ao Plano de Auxílio aos Estados e medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal (lei complementar 156), e também traz alterações ao Regime de Recuperação Fiscal dos Estados (lei complementar 159).

Veja também

© José Cruz/Agência Brasil

São Paulo aproveita o sábado para vacinar crianças sem comorbidades

113838

Cachorro de abrigo espera para ser adotado, mas família nunca aparece

© Breno Esaki/Agência Saúde DF

Reforço de marca diferente é mais eficaz para vacinados com CoronaVac

113834

Estudante de 22 anos ganha R$ 5 milhões vendendo selfies em NFTs

113828

Cachorro salva filhote de cervo que estava preso em rio

113826

Motoboy de operadora do iFood tem vínculo empregatício, diz Justiça

© Ministério da Saúde

Ministro destaca importância do ciclo vacinal completo contra covid-19

113822

Itapemirim perde contrato bilionário em SP