Reajuste do diesel infla greve de caminhoneiros, diz deputado bolsonarista

Publicado em 25/10/2021 às 15:51

Compartilhe

101996


source
Nereu Crispim (PSL-RS) é responsável por negociar demandas dos caminhoneiros no Congresso Nacional
Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Nereu Crispim (PSL-RS) é responsável por negociar demandas dos caminhoneiros no Congresso Nacional

O deputado federal, Nereu Crispim (PSL-RS), criticou o governo federal sobre as negociações para evitar a greve dos caminheiros e disse que o reajuste do diesel anunciado nesta segunda-feira (25) inviabiliza as conversas com o Palácio do Planalto. De acordo Crispim, a categoria está unida e a greve, prevista para 1° de novembro, deve sair do papel.

O parlamentar é o responsável por representar os caminhoneiros no Congresso Nacional e tomou frente das negociações com a equipe do presidente Jair Bolsonaro. Para o deputado, o reajuste de 9% no diesel a partir desta terça-feira (26) acaba inflando ainda mais a paralisação da categoria.

“Hoje, em virtude desse aumento do diesel, realmente fica bem difícil. O resultado financeiro hoje para o transportador autônomo nas estradas brasileiras é deplorável”, disse em entrevista ao UOL .

Bolsonarista, Crispim ainda criticou o governo federal por não dar importância ao tema. O integrante da Frente Parlamentar em Defesa dos Caminhoneiros ainda disse que não negociaria com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. Segundo ele, Gomes não demonstrou vontade de resolver as questões que envolvem a greve dos caminhoneiros.

Leia Também

A reunião entre Nereu Crispim, caminhoneiros e membros do Palácio do Planalto, marcada para quinta-feira (28), foi cancelada. A secretária de articulação do Planalto justificou a notícia de participação dos ministros no encontro para adiar as negociações.

Auxílio-diesel

O deputado Nereu Crispim ressaltou que a proposta de Jair Bolsonaro em disponibilizar um ‘auxílio-diesel’ de R$ 400 para caminhoneiros foi interpretado pela categoria como ‘esmola’. A ideia também foi rechaçada pelo líder da greve de 2018, Wallace Landim. Segundo Chorão, como é conhecido, o valor não dá para abastecer nem 100 litros do combustível.

“Dentro dos grupos de WhatsApp, isso pareceu como se mais uma parte da população brasileira fosse viver de assistencialismo político”, completou o parlamentar, ao UOL .

O benefício, no entanto, ainda não foi chancelado pela equipe econômica e ala política. A possibilidade de ultrapassar o teto de gastos muito mais que o esperado para 2022 é um dos motivos que trava as negociações para viabilizar o auxílio aos caminhoneiros.

Veja também

© Washington Alves/COB/Direitos Reservados

Basquete: Brasil derrota Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Covid-19: ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países

© Felipe Oliveira/EC Bahia/Direitos Reservados

Brasileiro: Bahia derrota Grêmio por 3 a 1 e deixa Z4

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

© Fernando Brito/MS

Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

106933

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

106931

INSS: Normas temporárias para concessão de auxílio é constitucional, decide STF

106929

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022