Produção industrial capixaba registra 2ª maior alta do País em 2023

Publicado em 10/02/2024 às 09:16

Compartilhe

Producao-industrial-capixaba-registra-2a-maior-alta-do-Pais-em-2023

A indústria capixaba encerrou o ano de 2023 com crescimento expressivo de +11,1%, o segundo melhor resultado entre os estados brasileiros pesquisados, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte (+13,4%). A produção nacional teve leve alta de +0,2% no ano. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (08), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e analisados pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

De acordo com o levantamento, o avanço na produção industrial capixaba em 2023 foi impulsionado principalmente pela a Indústria Extrativa, que alcançou +20,5%. As atividades de Fabricação de celulose, papel e produtos de papel (+9,4%) e da Fabricação de produtos alimentícios (+0,6%), também registraram crescimento. No sentido contrário, Fabricação de produtos minerais não-metálicos (-12,7%) e Metalurgia (-4,2%), apresentaram queda no período.

“O Espírito Santo é uma das poucas unidades da federação que apresenta uma sinergia efetiva entre o Governo do Estado, Federação da Indústria e entidades integrantes desse sistema, setores produtivos, movimento empresarial, municípios e instituições republicanas, com foco na diversificação e agregação de valor às cadeias produtivas instaladas, bem como na atração de novas indústrias para o seu território. Essa é uma condição diferenciada para que a indústria capixaba siga crescendo e se destacando positivamente em nível nacional”, destacou o diretor-geral do Instituto Jones dos Santos Neves, Pablo Lira.

Na comparação entre dezembro de 2023 com o mês de novembro de 2023, a indústria capixaba obteve avanço de +3,2%. Já na comparação interanual, que analisa o desempenho do mês com o mesmo mês do ano anterior, a produção industrial capixaba registrou alta de +31,4%. O resultado foi o maior entre todas as Unidades da Federação, sendo seguido pelo Rio Grande do Norte (+25,7%), Goiás (+22,0%) e Pernambuco (+15,4%).

Nessa base de comparação, as cinco atividades pesquisadas influenciaram positivamente no resultado, com destaque para a Indústria Extrativa, que contribuiu com alta de +25,6 pontos percentuais (p.p). Na sequência vieram Fabricação de celulose, papel e produtos de papel (+2,7 p.p); Metalurgia (+2,3 p.p) e os segmentos de Fabricação de produtos minerais não-metálicos e de Fabricação de produtos alimentícios com +0,4 p.p cada.

“Na Indústria Extrativa, os resultados estão diretamente relacionados a maior produção de pelotas de minério de ferro no Estado. Além disso, temos os resultados positivos da indústria petrolífera, que vem se mantendo em níveis elevados, influenciados pelo aumento da produção nos campos de Jubarte, no sul do Estado, e de Golfinho, na bacia do Espírito Santo, além da retomada da produção dos campos terrestres, administrados por empresas privadas”, explicou o diretor de Integração do IJSN, Antonio Rocha.

O Estudo destaca ainda que, de acordo com os dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), na comparação do ano de 2023 com o ano de 2022, a produção de petróleo em território capixaba cresceu +23,2%, enquanto a produção de gás natural obteve um aumento de +22,7% no mesmo período. 

Fonte: Assessoria de Comunicação do IJSN

Veja também

cultura-18-04-ft-div-gov-es

Festival Santa Teresa Gourmet completa dez anos conectando público com gastronomia, música e cultura

geral-18-04-ft-negocio-rural

Fim de semana gelado em Vitória e mais 7 capitais brasileiras

brasil-18-04-ft-flipar

Mulher que levou idoso morto a banco passa por audiência de custódia

geral-18-04-freepik-dinheiro

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos

turismo-18-04-ft-div-setur

Rota dos Sabores mostra a diversidade gastronômica do Espírito Santo

arte-e-cronica

Crônica: Quais suas prioridades?

policia-17-04-ft-policia-amb

Polícia Ambiental flagra atividades de terraplanagem sem licença ambiental na Região Serrana

brasil-17-04-ft-div-portal-ig

Ministério Publico apura se o PCC está infiltrado na saúde pública de São Paulo