Privatização da Eletrobras pode ser adiada; entenda

Publicado em 29/10/2021 às 19:20

Compartilhe

102800


source
Privatização da Eletrobras pode não acontecer no primeiro trimestre de 2022, conforme planejado
Fernanda Capelli

Privatização da Eletrobras pode não acontecer no primeiro trimestre de 2022, conforme planejado

O processo de privatização da Eletrobras pode sofrer um novo revés, mesmo depois de o Congresso Nacional ter autorizado a venda da estatal. Até agora, o governo vinha trabalhando com a operação no primeiro trimestre de 2022, provavelmente em fevereiro. Porém, técnicos do Executivo já avaliam que haverá um atraso de pelo menos dois meses no processo.

O atraso arrasta a operação de desestatização para o segundo trimestre do próximo ano e pode até mesmo colocar em risco a venda da maior empresa de energia da América Latina. O Ministério da Economia conta com uma arrecadação de R$ 23 bilhões com a privatização em 2022.

O motivo do atraso avaliado pelo governo está no Tribunal de Contas da União (TCU), após o Ministério da Economia, o Ministério de Minas e Energia e o BNDES enviarem para a corte a modelagem da privatização.

O relator do processo no TCU, Aroldo Cedraz, fez chegar a ministros do governo um alerta de que deve atrasar sua análise com o objetivo de levar a privatização (que será feita por meio de lançamento de ações em Bolsas de Valores) para o meio do processo eleitoral.

Ministros do TCU também veem problemas na precificação da outorga da privatização, o que é rechaçado pelo governo.

A privatização da Eletrobras requer um passo a passo e há uma série de prazos para cada ação. É preciso fazer assembleias de acionistas e respeitar as determinações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da SEC americana — a Eletrobras tem ações negociadas em Nova York.

Técnicos envolvidos no projeto temem que o preço das ações caia conforme o closing se distancie da meta original, de fevereiro de 2022, por dois motivos. Primeiro, porque os grandes fundos estão mais líquidos no início do ano — e, portanto, com mais apetite para grandes ofertas. E, segundo, porque a proximidade do primeiro turno das eleições pode aumentar o prêmio exigido pelo investidor na compra dos papéis.

Como se trata de um lançamento de ações, não é como um leilão tradicional. É preciso respeitar prazos de divulgação de balanços, períodos de silêncio e da volatilidade do mercado de ações — que costuma oscilar muito durante um ano de eleições presidenciais.

A modelagem final da privatização da Eletrobras precisa de aval do Tribunal de Contas da União, que não tem prazo para analisar o processo e pode inclusive determinar mudanças. O relator Cedraz também não tem prazo para entregar o processo ao plenário do TCU.

Leia Também

Procuarado, o TCU informou que o processo que acompanha a desestatização da Eletrobras está sendo tratado com a prioridade e agilidade que o caso requer.

“O relator atendeu ao pedido do Ministério Público junto ao TCU e encaminhou os autos para manifestação da procuradoria. Em 25 e 26 de outubro o Ministério de Minas e Energia encaminhou novos elementos que serão analisados pela área técnica”, diz a nota.

A resolução do Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (PPI, que coordena as privatizações e concessões do governo) com os detalhes da venda da estatal enviada ao TCU prevê a reestruturação societária da Eletrobras a ser realizada antes da privatização, de modo a segregar a Itaipu Binacional e Eletronuclear para que permaneçam sob controle acionário da União.

Essas duas empresas, hoje sob o guarda-chuva da Eletrobras, não poderão ser privatizadas por determinação constitucional.

Além disso, a resolução exige que, previamente à desestatização, sejam promovidas alterações no Estatuto Social da Eletrobras para incluir mecanismos para incentivar a pulverização acionária e impedir o exercício de poder de controle por um único acionista ou grupo de acionistas.

A ideia é transformar a companhia em uma corporação, sem controlador definido, após uma oferta inicial de ações. Caso a oferta primária não seja suficiente para reduzir a participação direta e indireta da União para 45% ou menos do capital votante, poderá ser feita uma suplementação da oferta com a venda concomitante de ações da própria União (oferta secundária).

A União deve continuar como principal acionista, mas sem controle. Nenhum acionista votante poderá votar com mais de 10% de suas ações.

O valor de R$ 23 bilhões é o que entrará nos cofres do governo federal no próximo ano.

Além disso, a privatização da Eletrobras prevê que a empresa transfira R$ 29,8 bilhões para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE, um fundo que banca as ações do setor elétrico) em dez anos e R$ 8,7 bilhões para revitalização de bacias hidrográficas do Nordeste, Norte e de Minas Gerais.

Veja também

Estudantes-aprendem-a-utilizarem-cascas-de-frutas-e-legumes-em-Marechal-Floriano

Estudantes aprendem a utilizarem cascas de frutas e legumes em Marechal Floriano

Bairro-Alto-Marechal-ganhara-obras-de-reurbanizacao-nos-proximos-dias

Bairro Alto Marechal ganhará obras de reurbanização nos próximos dias

Onibus-do-Hemoes-fara-coleta-de-sangue-em-Afonso-Claudio

Ônibus do Hemoes fará coleta de sangue em Afonso Cláudio

Domingos-Martins-recebe-recursos-do-Governo-do-Estado-para-editais-na-area-cultural

Domingos Martins recebe recursos do Governo do Estado para editais na área cultural

Campanha-eleitoral-comeca-hoje-16-nas-ruas-do-pais

Campanha eleitoral começa hoje (16) nas ruas do país

Conselho-de-Assistencia-Social-fara-eleicao-de-novos-membros-em-Domingos-Martins

Conselho de Assistência Social fará eleição de novos membros em Domingos Martins

Semana-sera-de-frio-e-chuva-em-boa-parte-do-Brasil

Semana será de frio e chuva em boa parte do Brasil

Ministerio-da-Saude-ativa-Sala-de-Situacao-para-combate-do-sarampo-no-Pais

Ministério da Saúde ativa Sala de Situação para combate do sarampo no País