Presidente encontra reitores para tentar estancar greve de professores

Publicado em 10/06/2024 às 09:37

Compartilhe

brasil-10-06-ft-agencia-Brasil

Foto: Agência Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reúne hoje com reitores de universidades federais no Palácio do Planalto. O encontro, porém, não deve afetar as  greves de professores e técnicos em instituições federais em todo o país.

O governo planeja anunciar mais verbas para as universidades aos reitores, mas os sindicatos de professores e funcionários em greve reclamam da falta de diálogo e esperam uma proposta melhor de reajuste salarial e de carreira.

Segundo a Andes(sindicato nacional dos docentes das instituições de ensino superior), 62 instituições de ensino superior federal estão atualmente em greve, e mais 3 devem parar nesta segunda-feira (10). Os professores estão exigindo reajustes salariais e uma reestruturação de carreira que superem as propostas do governo.

Por outro lado, o Ministério da Gestão e Inovação declarou que encerrou as negociações com os professores com a proposta apresentada em 15 de maio. Além dos aumentos salariais, o Ministério também sugeriu alterações nas carreiras, com um impacto financeiro estimado em R$ 6,2 bilhões até 2026.

Participarão do encontro a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) e o Conif (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica). No entanto, esses grupos têm pouca influência sobre o início ou fim das greves, pois são órgãos de direção das instituições de ensino.

As entidades representativas dos professores não estarão presentes e afirmam, nos bastidores, que o movimento de greve prejudica os esforços do governo para chegar a um acordo. A categoria reclama da falta de diálogo e interlocução direta com Lula.

Há críticas também pelo fato de Lula não receber entidades mais representativas do setor, que tentarão alcançá-lo por meio dos participantes do encontro. O ponto central para os professores em greve é o salário. Mais verba para as universidades não resolve a questão. Entidades insatisfeitas com a proposta de reajuste do governo, como a Andes e a Sinasefe, não foram convidadas.

Os sindicatos veem o presidente como distante e acusam-no de abandonar o compromisso com o setor, que o apoiou nas eleições. Há frustração com o governo por “priorizar” a Proifes, única entidade que aceitou a proposta do Executivo para reajuste e reestruturação de carreira. A Proifes justificou sua decisão em seu site oficial, alegando que foi a opção menos pior.

“Foi opção mais acoplada na ideia do “melhor do pior”, do que apostar numa negociação que não teria resultados práticos, tendo em vista que o governo já definiu —e não só para a categoria da Educação—, que o orçamento de 2024 estava esgarçado até o limite”, diz a entidade em sua página.

Fonte: Portal IG

Veja também

agricultura-familiar

Governo e Assembleia anunciam investimento de R$5 milhões na Agricultura Familiar

Cooperativas-de-seringalistas-debatem-desafios-da-producao-de-borracha-no-ES

Cooperativas de seringalistas debatem desafios da produção de borracha no ES

Governador-anuncia-mais-66-novos-onibus-climatizados-para-o-Transcol

Governador anuncia mais 66 novos ônibus climatizados para o Transcol

sustentabilidade-es

Projeto Semeando com Sustentabilidade receberá investimento três vezes maior

inovacoes-es

Governo do Estado apresenta ações inovadoras durante o ESX 2024

fevesu-24

Favesu 2024 leva conhecimento sobre avicultura e suinocultura a milhares de participantes

brasil-14-06-ft-Rovena-Rosa

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

esportes-14-06-ft-go-es

Paratleta capixaba conquista prata no World Series de natação na França