Piso salarial da enfermagem será regionalizado após decisão do STF

Publicado em 19/12/2023 às 10:52

Compartilhe

enfermeira-19-12-freepik

Por maioria, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter as 44 horas semanais trabalhadas como referência para o pagamento do piso salarial nacional da enfermagem , bem como determinou a negociação coletiva regionalizada sobre o pagamento do piso no setor privado.  

Os ministros encerraram às 23h59 desta segunda-feira (18) o julgamento de sete recursos sobre o assunto no plenário virtual, em que eles registram seus votos de forma remota.  

Ao final, prevaleceu o entendimento do ministro Dias Toffoli, que defendeu 44 horas semanais como referência e também autorizou a redução salarial, com pagamento proporcional do piso em caso de redução de jornada.  

O julgamento tem impacto sobretudo sobre o pagamento dos profissionais celetistas, que trabalham em hospitais privados. No caso de profissionais de enfermagem do setor público, o Supremo validou, em ocasião anterior, o pagamento imediato do piso.  

No caso dos profissionais celetistas, a maioria dos ministros votou, no julgamento encerrado nesta segunda-feira, que seja realizada negociação coletiva para definir o pagamento do piso com prevalência do negociado sobre o legislado.  

Dissídio coletivo

A maioria dos ministros entendeu ainda que, caso as negociações coletivas não avancem, fica autorizada a abertura de dissídio coletivo – processo judicial trabalhista que visa dirimir impasses. Esta foi uma mudança em relação a entendimento anterior. Antes, o Supremo havia entendido que, em caso de não se conseguir acordo, o piso deveria ser pago na forma da lei.  

Toffoli foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Gilmar Mendes, Luiz Fux e Nunes Marques. Ficaram vencidos o relator, ministro Luís Roberto Barroso, e os que o acompanharam, ministros Edson Fachin, Cármen Lúcia e André Mendonça. 

Em seu voto vencido, Barroso defendia a redução da carga horária semanal para 40 horas, bem como a nacionalização da regra, em oposição à regionalização.  

Pela lei, o novo piso para enfermeiros do setor público ou privado – contratados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – é de R$ 4.750. Técnicos de enfermagem recebem, no mínimo, 70% desse valor (R$ 3.325) e auxiliares de enfermagem e parteiras, 50% (R$ 2.375).  

Em 2022, o pagamento do piso havia sido suspenso pelo STF devido à falta de previsão de recursos para garantir a quitação dos profissionais da rede pública, mas foi liberado em maio após o governo federal abrir crédito especial para o repasse de R$ 7,3 bilhões para estados e municípios pagarem o piso. 

Fonte: Portal IG/ Foto: Freepik

Veja também

politica-17-04-ft-Lula-Marques-Agencia-Brasil

Senado aprova PEC das drogas e texto vai para Câmara dos Deputados

cultura-17-04-gov-es

Festa da resistência dos povos indígenas tem início nesta sexta-feira em Aracruz

geral-17-04-ft-div-gov-es

Bandes promove leilão do Fundap nesta quarta-feira (17) em Vitória

saude-16-04-ft-div-gov-es

Ciatox realiza mais de 10 mil atendimentos em um ano no Espírito Santo

geral-16-04-ft-gv-es

Escola de Cachoeiro de Itapemirim inicia projetos com robótica educacional

brasil-16-04-freepik

Professores universitários estão mobilizados no Rio para definir greve

geral-16-04-pmmf

Pavimentação de estradas avança em Marechal Floriano

geral-16-04-freepik-2

Começou o prazo para solicitar isenção da taxa de inscrição do Enem