Papa pede “decisões radicais” a líderes mundiais na Conferência do Clima da ONU

Publicado em 29/10/2021 às 10:51

Compartilhe

102661


source
Papa pede
Reprodução: iG Minas Gerais

Papa pede “decisões radicais” a líderes mundiais na Conferência do Clima da ONU

Papa Francisco fez um apelo para que os líderes mundiais tomem “decisões radicais” na Conferência do Clima da ONU da próxima semana. Os líderes presentes na conferência COP-26 em Glasgow, na Escócia, devem oferecer “esperança concreta às gerações futuras”, disse o Pontífice, em uma mensagem especial gravada para a seção Pensata do Dia, da BBC Radio 4.

Francisco pediu “um sentido renovado de responsabilidade compartilhada por nosso mundo” dos líderes na COP para estimular ações contra a crise climática.

“É essencial que cada um de nós esteja comprometido com essa mudança urgente de direção”, disse ele. “Os tomadores de decisão política que se reunirão na COP-26 em Glasgow estão convocados a fornecerem com urgência respostas eficazes à atual crise ecológica, e, desta forma, oferecer esperança concreta às gerações futuras.”

Francisco não participará da cúpula, que vai de 31 de outubro a 12 de novembro. O Vaticano está enviando uma delegação ao encontro, mas o Papa de 84 anos não irá após uma cirurgia no início deste ano.Anteriormente, houve sugestões anteriores de que ele faria uma breve aparição para reforçar a importância do evento.

Sua mensagem foi gravada em italiano e durou quase cinco minutos. Foi transmitida na manhã desta sexta-feira com narração em inglês.

O Papa Francisco disse que a cúpula seria difícil, mas também representa uma oportunidade.

“Essas crises nos apresentam a necessidade de tomar decisões, decisões radicais que nem sempre são fáceis”, afirmou. “Ao mesmo tempo, momentos de dificuldade como este também apresentam oportunidades, oportunidades que não devemos desperdiçar.”

Leia Também

O Papa Francisco alertou contra o perigo do isolacionismo e protecionismo ao lidar com a crise climática.

“Podemos enfrentar essas crises nos recolhendo no isolacionismo, no protecionismo e na exploração. Ou então podemos ver nas crises uma chance real de mudança, um momento genuíno de conversão, e não simplesmente no sentido espiritual”, disse ele. “Esta última abordagem por si só pode nos guiar em direção a um horizonte mais brilhante.”

Francisco também afirmou que uma sucessão de crises relacionadas à saúde, meio ambiente, abastecimento de alimentos e economia estavam “profundamente interligadas”.

“A mudança climática e a pandemia de Covid-19 expuseram nossa profunda vulnerabilidade e levantaram inúmeras dúvidas e preocupações sobre nossos sistemas econômicos e a forma como organizamos nossas sociedades”, disse Francisco. “Eles também prenunciam uma tempestade perfeita que pode romper os laços que mantêm nossa sociedade unida.”


Encontro com Biden

Nesta sexta-feira, Francisco tem encontro marcado com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Biden, que está em Roma para participar de uma cúpula do G20 antes de ir para Glasgow na segunda-feira, chegou ao Vaticano no começo da tarde, cercado por forte segurança.

O encontro entre o primeiro papa latino-americano e o segundo presidente católico na história dos EUA ocorre em meio a um acirrado debate na Igreja dos Estados Unidos, onde Biden está sob pressão dos conservadores por sua posição a favor do direito das mulheres ao aborto legal.

Fonte: IG Mundo

Veja também

107587

Câmara aprova fornecimento de água e seguro a entregadores de aplicativo

107585

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena; prêmio acumula em R$ 16 milhões

107583

Jovem deixa a faculdade e decide virar nômade: “Infinitas possibilidades”

© Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

Seleção feminina encerra temporada com título do Torneio de Manaus

© Samara Miranda/Remo/Direitos Reservados

Copa Verde: Paysandu e Remo empatam em clássico de tempos distintos

© Reuters/Carlos Osorio/Direitos Reservados

Pfizer: 1 milhão de doses chegam ao Brasil hoje

107575

Mega-Sena sorteia R$ 11 milhões nesta quarta; confira as dezenas

107573

EUA têm 10 milhões de vagas, mas não despertam interesse; entenda o porquê