ONG do RN afirma que golpes são o grande vilão da adoção de pets

Publicado em 06/11/2021 às 06:15

Compartilhe

103712


source
O Instituto Senhoras Patas tem histórias boas para contar
Divulgação/Alltech

O Instituto Senhoras Patas tem histórias boas para contar

Existem ONGs de proteção de animais por todo o Brasil, que realizam um trabalho árduo para o resgate, tratamento e na busca de um lar para diversos animais de estimação, que são abandonados e vítimas de maus-tratos. Para esse trabalho, organizações sem fins lucrativos necessitam também de doações de pessoas que apoiam a causa.

Com um trabalho tão importante, muitas são as histórias que eles têm para contar, como é o caso do Instituto Senhores Patas, localizado no bairro de Cajupiranga, em Parnamirim, Rio Grande do Norte. Ao Canal do Pet, quem conta é a presidente da ONG, Luciene Lima de Azevedo.

Luciene conta que o que hoje o que motiva protetores e ONGs de animais a seguirem em frente é apenas o amor e a dedicação que sentem pelos animais que sentem por animais, não apenas pelos que estão trabalhando no dia a dia, como daqueles que ajudam com doações e se voluntariando na realização de trabalhos ou mesmo compartilhando nas redes sociais, pedindo ajuda.

“As pessoas se sensibilizam e formam uma corrente do bem e com um pouquinho de cada um nós conseguimos salvar os animais e temos histórias lindas como a de Sílvio, a de Elza, de Samara e como muitas outras que conseguimos reverter”, conta Luciene.

A protetora conta que a mudança que fazem na vida de tantos animais é o que faz com que continuem na luta e que a ajuda que recebem a faz acreditar que ainda existam pessoas boas, mas que ainda sente como se todo o trabalho realizado, pelo Senhores Patas e tantas outras ONGs, ainda seja como enxugar gelo, mas que já é um grande passo e que é necessário que o poder público invista em educação e conscientização das pessoas e na castração dos animais.

Contudo, Luciene lamenta a falta de interesse que existe pelo poder público, que precisa dar um “empurrão”, com leis mais severas (e que essas leis sejam cumpridas) que ajudem a impedir os maus-tratos e o abandono.

“Só tem político da causa animal em época de campanha, e aparecem muitos políticos que são da causa animal e depois que ganham, ou depois que passa a eleição, nunca mais põe os pés na ONG, nunca dão um grão de ração. Nunca ajudam em nada, infelizmente”, lamenta a protetora.

Mais que apenas cachorros

Além dos cães e gatos, o instituto também abriga animais como burros e porcos, todos resgatados. Luciene conta que são sete burros e quatro porcos, dois deles foram resgatados no último dia 3 de novembro.

“São quatro porquinhos agora, com esses dois, e sete burrinhos. E estes nunca vão ir para doação. Não dá, porque você vai doar esses bichinhos é para empurrar carroça, ou pra virar comida de alguém, jamais”, garante a protetora.

Além desses, também existem diversos outros animais de outras espécies – podem ser vistos nas redes sociais da ONG.

Quem não ajuda, não atrapalha

Fraudes também são um problema real na vida de protetores de animais, quando pessoas mal-intencionadas usam imagens e, às vezes, até nomes de ONGs sérias para aplicar golpes, se aproveitando de quem procura ajudar animais que estão em sofrimento, como conta a presidente do Instituto Senhores Patas.

“Nós já tivemos nossas contas hackeados e as fotos de nossos animais roubadas. Quando a gente foi ver já tinham páginas de ONGs que não existem usando as nossas história para pedir dinheiro”, alerta.

Para Luciene isso acontece porque a causa animal está crescendo e, como tudo, as pessoas tentam encontrar uma forma de “se dar bem” pelos problemas dos outros, quando pessoas tentando ajudar acabam sendo lesadas e, dessa forma, perdem a confiança naquelas que realmente estão fazendo um trabalho sério.

Leia Também

Leia Também

Conhecendo algumas histórias

Samara

Samara, foi resgatada há alguns anos próxima a “Festa do Boi”, na época do resgate a cadela era ameaçada de morte por parte dos próprios moradores, que tinham medo pela suspeita de a cadela tivesse a doença do Calazar. Por ser constantemente agredida, Samara sentia medo das pessoas e deu trabalho para que Luciene, junto a um amigo, conseguissem captura-la, foi preciso uma manhã inteira para conseguir.

Atualmente Samara está bem e muito saudável. Luciene conta que muitas pessoas se oferecem para adotá-la, mas a dona da ONG afirma que a cadela é o xodó do local e que jamais a dará para adoção.

Elza

Elza foi adotada por uma jovem que já havia adotado outra cachorra no local. A cadela chegou ao local após denuncias de maus-tratos. A cadela estava marrada a uma árvore no fundo de um quintal sem água e sem comida, abandonada por ter problemas de pele. Elza foi resgatada pela polícia e precisava de um local para ficar, sendo aceita pelo Instituto Senhores Patas. Assim como Samara, Elza chegou muito assustada, mas com o tempo se recuperou e foi adotada, mas ainda está sob tratamento.

Silvio

Silvio é um legitimo Vira-Lata Caramelo que foi abandonado pelo antigo dono no CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) de Parnamirim, e rejeitado por não ter uma raça definida. Como o local não aceita mais animais que estejam com doenças especificas, os animais são abandonados no local – sendo jogados até por cima do muro, segundo conta Luciene.

Silvio estava quase sem expectativas de ser adotado quando foi encontrado pela atual tutora, que se apaixonou pelo cãozinho assim que o viu. Luciene conta que toda a nova família é louca pelo caramelo, o que enche o coração dela de felicidade.

A tutora de Silvio chegou a mandar um depoimento para a ONG após a adoção, e Luciene compartilhou: “Quando eu o vi, pensei ‘AAAAA ele vai ser meu!’. Aí fui falar com a senhora [Luciene], se passaram dias e dias e [eu] já estava meio desanimada, porque não recebia uma resposta. A minha mãe estava sem dinheiro de ir até aí, e meu irmão um dia depois me deu algum dinheiro, que eu já guardei e falei ‘vai ser pro Silvio’. E a noite pedi a Deus que se fosse pra ele ser meu, que no outro dia desse tudo certo, e deu! Eu fiquei muito, mas muito feliz! Acordei logo cedo ansiosa para ir buscar ele, com o dinheiro que tinha eu paguei o carro [de aplicativo] e comprei as coisas para ele [o cachorro] e fui… Meu melhor presente de aniversário foi ele!”

Convite para uma visita

Luciene conta que as pessoas costumam perguntar sobre os dias de visita, e afirma que todos os dias são dias de visita e que a quem houver interesse, basta avisar e comparecer ao local, no dia que quiser, mesmo em finais de semana e feriados.

“Todos os dias a gente está aqui. Sábado, domingo, feriado, carnaval, Natal, Ano Novo, não importa. Porque aqui existem vidas, e quando existem vidas eles comem todos os dias, eles precisam de limpeza todos os dias, eles precisam ser medicados todos os dias. Então eu sempre digo, quem quer vir visitar, pode vir”, diz.  “Se você chegar aqui de manhã cedo, você vai encontrar muito cocô, muita coisa pra fazer, muita sujeira, porque essa é nossa realidade”, afirma.

A presidente da ONG, porém, pede apenas que visitas não sejam feitas após às 15 horas, pois é quando começam a preparar as coisas para que os animais possam dormir e com a presença de pessoas, especialmente os cães, ficam muito animados e, como todos ficam livres – nada de cachorros presos em canil por aqui, apenas quando há necessidade, como cadelas no cio ou com filhotes – começam a querer correr e brincar.

Luciene explica que a razão pela qual a ONG está sempre aberta a receber visitantes é para não deixar duvidas do trabalho que é realizado por lá e que, a qualquer horário, todos são bem-vindos!

Fonte: IG PET

Veja também

© Leonardo Moreira/FEC/Direitos Reservados

Fortaleza se classifica para sua primeira Libertadores

© Marcelo Cortes/Flamengo/Direitos Reservados

Vice-campeão Flamengo empata com rebaixado Sport em Recife

© José Tramontina/athletico.com.br/Direitos Reservados

Athletico-PR derrota Cuiabá na Arena da Baixada e se afasta do Z4

107879

Comissão da Câmara faz audiência na quarta sobre piso para enfermagem

© 28/10/2021_Fernando Frazão/Agência Brasil

Covid-19: estado do Rio está com risco muito baixo pela segunda semana

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

Covid-19: Brasil registra 22 milhões de casos e 615,4 mil óbitos

© Carol Morelli/Arquivo Pessoal

Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master

107871

Morre Gulliver, primeiro cachorro de William Bonner e Fátima Bernardes