No Brasil, renda dos 10% mais ricos é 29 vezes maior que a dos 50% da base

Publicado em 07/12/2021 às 07:50

Compartilhe

108166


source
No Brasil, renda dos 10% mais ricos é 29 vezes maior que a dos 50% da base
Thinkstock

No Brasil, renda dos 10% mais ricos é 29 vezes maior que a dos 50% da base

Apesar de avanços nas últimas décadas, a desigualdade de renda no Brasil ainda se mostra persistente. No país, os 10% mais ricos do país têm renda média 29,25 vezes menor que os 50% mais pobres da população.

A renda nacional média da população adulta brasileira é de € 14.000, cerca de R$ 43.680 por ano. Os 50% da base ganham em média € 2.800, o equivalente a R$ 8.800 (menos de um salário mínimo por mês), e os 10% mais ricos recebem em média € 81.900, ou R$ 255.760 no período de doze meses.

Esses e outros dados estão no relatório “Desigualdade Mundial”, divulgado nesta terça-feira e produzido pelo laboratório de mesmo nome que tem o francês Thomas Pikkety (autor do best-seller “O capitalismo no século XXI”) como um dos seus coordenadores.

Os números são calculados com base na paridade do poder de compra. Nada mais é que uma métrica que compara as moedas de diferentes países através de um índice que mensura o poder de compra.

10% dos brasileiros ficam com quase 60% da renda nacional

Os 10% mais ricos detém 59% da renda nacional total e os 50% da base ficam com cerca de 10%.

Para efeito de comparação, nos Estados Unidos, os 10% capturam 45%, na China, 42%. Se olharmos para os novos vizinhos, esse percentual é de 43% na Argentina e 59% no Chile.

O cálculo considera a quantidade de recursos necessários para adquirir um conjunto de bens e serviços em um país, que pode ser comparada com a de outros.

Leia Também

A renda é medida já levando em conta o pagamento de pensões e outros benefícios, mas antes do pagamento de impostos sobre os rendimentos.

Para o principal autor do relatório e coeditor do laboratório, Lucas Chancel, o caso brasileiro é exemplar de como as medidas de combate à desigualdade devem ser pensadas de forma a realmente cobrar a conta de quem ganha mais.

“Tivemos um crescimento da renda dos mais pobres desde 2000 muito por causa dos programas sociais. Mas, ao mesmo tempo, o financiamento desses programas não foi feito de uma forma progressiva. O 1% mais rico não foi demandado para financiar esses programas na extensão de sua riqueza. A classe média contribuiu muito e o 1% ficou intocável.”

Riqueza privada aumenta

Se olharmos para a riqueza privada, os valores também mostram a concentração de capital existente no país.

A proporção da riqueza privada do país em relação à renda nacional vem crescendo, ainda que de forma mais lenta do que em países como China e Índia.

Sobre a situação brasileira, Chancel complementa:

“A mensagem geral é que programas sociais são chave, mas taxas progressivas para financiar esses programas são tão importantes quanto.”

Veja também

© REUTERS/Nacho Doce/Direitos reservados

Benzema tem residência furtada durante jogo do Real Madrid

© Reprodução Twitter/SE Palmeiras

Mundial de Clubes: Fifa prorroga inscrições e Palmeiras ganha tempo

114061

Justiça libera R$ 1,1 bilhão para quem ganhou processo contra a União

114059

Sistema do Banco Central permite saber se algum banco te deve; entenda

114057

Aniversário de São Paulo: confira o que abre e o que fecha amanhã (25)

Crianca-fica-em-estado-gravissimo-apos-ser-atropelada-e-motorista-nao-presta-socorro

Motorista que atropelou criança em Domingos Martins é liberado após pagar fiança

© Reuters/Yves Herman/Direitos Reservados

Ministro diz que não foi informado de recurso contra nota da Conitec

Clube-do-Livro-retoma-suas-

Clube do Livro retoma suas atividades em Domingos Martins