MPT ajuíza ação contra 99, Uber e Rappi para reconhecerem vínculo empregatício

Publicado em 08/11/2021 às 18:21

Compartilhe

103960


source
Procuradores pedem que empresas paguem indenização de 1% do faturamento anual por supostas fraudes trabalhistas
Reprodução/ Correio Braziliense

Procuradores pedem que empresas paguem indenização de 1% do faturamento anual por supostas fraudes trabalhistas

O Ministério Público do Trabalho (MPT) de São Paulo ajuizou quatro ações civis públicas nesta segunda-feira contra os aplicativos de transporte e entrega 99, Uber, Rappi e Lalamove por supostas fraudes trabalhistas cometidas pelas plataformas. Os processos são de âmbito nacional.

O MPT pede à Justiça do Trabalho o reconhecimento de vínculo empregatício entre os motoristas de aplicativo e as plataformas e pede que as quatro empresas paguem multa de 1% de seus faturamentos anuais para indenizar supostos danos morais coletivos cometidos contra os motoristas. Os procuradores pedem ainda que as quatro empresas se abstenham de cadastrar novos motoristas sem reconhecer vínculos de trabalho formal.

As ações se somam a outras 12 já propostas contra aplicativos de entrega. Segundo o procurador do trabalho Rodrigo Castilho, que está à frente da coordenadoria do MPT que investiga os aplicativos e que ajuizou as ações, as investigações se iniciaram em 2016.

Leia Também

“Entendemos que o aplicativo vende um produto no mercado de consumo, que é o trabalho de uma pessoa (o motorista). A única diferença dos aplicativos para as demais empresas é que a forma de contratação se dá através de uma plataforma digital. A regra no Brasil é a relação de emprego quando se utiliza do trabalho de um ser humano”, afirma Castilho.

O MPT diz ter recebido mais de 600 denúncias relacionadas a aplicativos de mobilidade e entregas e que muitos procedimentos ainda estão em fase de investigação.

No total, 625 procedimentos já foram instaurados contra 14 aplicativos. A Uber lidera entre as mais demandadas pelo MPT, e responde a 230 procedimentos, seguida por iFood (94), Rappi (93), 99 (79), Loggi (50) e Cabify (24).

A procuradora Tatiana Simonetti, que participa das investigações, afirmou que há uma série de provas de que os aplicativos descumprem a legislação trabalhista.

Uma das principais provas usadas pelo MPT é a análise de dados de viagens realizadas por 10 mil motoristas da 99 entre julho de 2018 e julho de 2019. Os dados foram inicialmente solicitados à 99 e à Uber, mas as empresas se recusaram a fornecer os dados, que só foram obtidos por meio de decisão judicial.

Veja também

107947

VÍDEO: Vulcão Semeru entra em erupção e deixa 13 mortos na Indonésia

107945

Ministro Rogério Marinho será ouvido no Senado sobre emendas de relator

© Pedro Souza/Atlético/Direitos Reservados

Já campeão, Atlético-MG recebe Bragantino em reencontro com torcida

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT