Mercado de cafés especiais deve crescer 12% até 2030 e gera oportunidades para os produtores

Publicado em 31/03/2024 às 09:57

Compartilhe

cafes

O mercado de cafés especiais está em ascensão. O segmento tem apresentado um rápido crescimento e conquistado cada vez mais consumidores nos mercados nacional e internacional, impulsionado pela busca dos consumidores por produtos de alta qualidade. De acordo com a empresa Brainy Insights, o valor global de cafés especiais deve chegar a US$ 152,69 bilhões até 2030, representando uma taxa de crescimento de 12,32% durante o período de previsão.

Esse crescimento não apenas reflete a demanda crescente por cafés especiais, mas abre um leque de oportunidades para os produtores. Eles têm a chance de elevar suas rendas, explorar novos sabores e, consequentemente, alcançar resultados satisfatórios com cafés de alta qualidade, cada vez mais valorizados pelos consumidores.

Além disso, a pesquisa aponta que o mercado norte-americano de cafés especiais, por exemplo, deve crescer em 20% ano a ano até 2030. Isso o tornaria o mercado que mais cresce no mundo.

Nos últimos anos, o setor de cafés especiais passou por significativas mudanças, acompanhadas por uma evolução no comportamento do consumidor. Hoje em dia, os compradores valorizam cada vez mais a saúde, a sustentabilidade e a qualidade dos produtos que consomem, demonstrando interesse crescente na origem do café e na diversidade de sabores e aromas disponíveis.

No Brasil, o Espírito Santo é referência na produção de café, sendo o segundo maior produtor do país, atrás apenas de Minas Gerais. Esse setor é responsável pela geração de aproximadamente 400 mil empregos diretos e indiretos no estado. Entre os cafés especiais que têm chamado a atenção está o famoso café do pássaro jacu, produzido na Fazenda Camocim, chegando a alcançar o valor de mil reais o quilo.

No Espírito Santo, foi criada a quarta versão do plano estratégico de desenvolvimento da agricultura capixaba, o Pedeag, com vigência até 2032. A iniciativa é fruto de uma parceria entre setor produtivo e governo para promover o desenvolvimento sustentável da agricultura.

Uma das metas desse plano é alcançar 50 mil propriedades rurais com certificação de sustentabilidade até 2032, em comparação com as atuais menos de cinco mil. Para isso, os produtores serão incentivados a adotar práticas sustentáveis em suas operações, abrangendo aspectos econômicos, ambientais e sociais, como eficiência na produtividade, gestão de custos, rastreabilidade da produção, práticas ambientais responsáveis e políticas sociais voltadas para a melhoria das condições de trabalho e acesso à educação e saúde.

“Estabelecemos a ousada meta de contar, até 2032, com 50 mil propriedades rurais no Espírito Santo adotando um currículo mínimo de sustentabilidade. Não é suficiente apenas produzir com qualidade; os novos padrões de consumo exigem aspectos sustentáveis nos processos de produção, com respeito ao homem, ao meio ambiente e às obrigações sociais e trabalhistas”, explicou o secretário de Agricultura do Espírito Santo, Enio Bergoli, na época do lançamento do programa.


Veja também

politica-17-04-ft-Lula-Marques-Agencia-Brasil

Senado aprova PEC das drogas e texto vai para Câmara dos Deputados

cultura-17-04-gov-es

Festa da resistência dos povos indígenas tem início nesta sexta-feira em Aracruz

geral-17-04-ft-div-gov-es

Bandes promove leilão do Fundap nesta quarta-feira (17) em Vitória

saude-16-04-ft-div-gov-es

Ciatox realiza mais de 10 mil atendimentos em um ano no Espírito Santo

geral-16-04-ft-gv-es

Escola de Cachoeiro de Itapemirim inicia projetos com robótica educacional

brasil-16-04-freepik

Professores universitários estão mobilizados no Rio para definir greve

geral-16-04-pmmf

Pavimentação de estradas avança em Marechal Floriano

geral-16-04-freepik-2

Começou o prazo para solicitar isenção da taxa de inscrição do Enem