Melhora nas chuvas reduz chance de racionamento de energia, diz consultoria

Publicado em 06/10/2021 às 16:20

Compartilhe

99283


source
Melhora nas chuvas diminui chance de racionamento
Divulgação

Melhora nas chuvas diminui chance de racionamento

A recente melhora das chuvas, principalmente na região Sul, combinada a medidas de enfrentamento da crise hídrica, reduziu significativamente os riscos de racionamento de energia no país e de apagões até o fim de novembro. A  PSR, uma das consultorias mais renomadas no setor elétrico, calculou que a ameaça de racionamento é de no máximo 3% no cenário mais severo e de 0% em outras situações melhores. Isso consta em relatório distribuído a clientes. No documento divulgado em setembro, a PSR calculava o risco de racionamento em 20%.

A consultoria também levou em conta a entrada antecipada em operação de projetos de geração e transmissão de energia. “Além disso, até o momento não há sinal de atraso no período úmido, como houve em 2020”, acrescentou a PSR.

A consultoria destacou que as expectativas quanto ao início da temporada de chuvas em novembro já levaram a uma redução dos preços no mercado de energia elétrica.

No documento, a PSR atualizou suas estimativas para a situação eletroenergética do país, mantendo praticamente todos os parâmetros adotados nos últimos estudos. Ao todo, foram simulados mais de 1.200 cenários de afluências e de produção eólica e solar.

Leia Também

A partir deles, foram construídos casos futuros, considerando as ações do governo para reforçar o suprimento de energia, como mudança nas vazões das hidrelétricas e a importação de energia da Argentina e Uruguai.

A PSR verificou uma melhora substancial no “caso 1”, que possui as premissas mais severas, não considera nenhuma medida adicional da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) e trabalha com capacidade reduzida de transferência de energia das regiões Norte e Nordeste para o Sudeste. Nesse caso mais extremo, o risco de racionamento é de cerca de 3%, e não foram enxergados problemas de apagões nos horários de pico, cenário comum até o mês passado.

Em alguns cenários simulados pela PSR, os riscos de racionamento caem para 0,6% ou até mesmo 0%, mesmo sem levar em consideração medidas do governo para incentivar redução do consumo de eletricidade, de acordo com o relatório, visto pela Mover.

As projeções da PSR também levam em conta um crescimento da demanda por energia de 5,5% neste ano, que segundo a consultoria parecem otimistas diante do atual cenário. “No entanto, o nível dos reservatórios ao final de 2021 será bem reduzido, o que levanta preocupações para 2022”, acrescentou a PSR.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) também está mais otimista sobre a situação da crise hídrica. Em nota divulgada nesta terça-feira (6), o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) afirma que o armazenamento equivalente das usinas hidrelétricas do Sul do Brasil finalizou setembro em patamar superior ao verificado em agosto, expectativa que se mantém para outubro de 2021.

Além disso, o ONS informou que a conjuntura meteorológica indica previsões com características que apontam para a transição para o período tipicamente úmido, dentro dos padrões usuais, e possível ocorrência de chuvas no curto prazo.

Veja também

113089

Após erupção, Tonga pode ficar 2 semanas sem acesso à internet

113087

Sonha em trabalhar na Disney? Empresa tem vagas abertas no Brasil

113085

Ade Sampa oferece qualificação empreendedora totalmente gratuita

Carro-capota-e-tres-pessoas

Carro capota e três pessoas ficam presas às ferragens em Venda Nova do Imigrante

Carro-de-passeio-tem-frente

Carro de passeio tem frente destruída ao bater em árvores ao lado de rodovia

113074

Petrobras será investigada por abuso em reajuste nos combustíveis

113072

“Cofres estaduais estão abarrotados de dinheiro”, diz Lira sobre ICMS

© Christian Dawes/ COB/ Direitos Reservados

Brasil convoca 11 atletas para Olimpíada de Inverno de Pequim