Lei que prorroga medidas excepcionais na educação é sancionada

Publicado em 13/10/2021 às 21:51

Compartilhe

© Rovena Rosa/Agência Brasil


O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira (13) a lei que amplia até o fim do ano letivo de 2021 as normas excepcionais na área de educação previstas durante a pandemia. O projeto de foi aprovado pelo Senado Federal no último dia 16 de setembro, e aguardava a sanção presencial para entrar em vigor. O texto é de autoria da deputada Professora Dorinha (DEM-TO) e já havia passado pela Câmara dos Deputados.

As normas constam no decreto de calamidade pública, editado em virtude da pandemia da covid-19, que alterou a rotina de vários setores em virtude das medidas de isolamento social. O decreto, no entanto, perdeu a vigência em 31 de dezembro de 2020. No primeiro dia de 2021, as normas sobre educação deixaram de valer, mas a situação nas escolas do país não retomaram sua normalidade. Por isso, o PL aprovado hoje garante a validade das “normas excepcionais”.

Entre essas normas, estão a suspensão da obrigatoriedade de escolas e universidades cumprirem a quantidade mínima de dias letivos; a aglutinação de duas séries ou anos escolares; a permissão para o ensino remoto; e a antecipação da conclusão de cursos de medicina ou cursos técnicos relacionados ao combate à covid-19, se cumpridos 75% da carga horária.

“A sanção presidencial visa a afastar interpretações equivocadas quanto à produção dos efeitos da lei citada, assegurando, assim, a necessária organização do calendário escolar do corrente ano em face da aplicabilidade da norma enquanto perdurar as medidas de enfrentamento da pandemia de covid-19”, informou a Secretaria-Geral da Presidência da República, em nota.

Mesmo após sancionada, a lei não protegerá os gestores públicos que responderam a ações judiciais, já concluídas, destinadas a garantir o direito de acesso à educação. Isso porque seu efeito não é retroativo.

Edição: Aline Leal

Veja também

© Fernando Frazão/Agência Brasil

Covid-19: Brasil registra 22,1 milhões de casos e 615,6 mil mortes

© Pedro Souza/Atletico

Bahia respira, Grêmio agoniza e Atlético-MG faz a festa com a torcida

108004

Paulo Guedes define nomes para reestruturação do Ministério da Economia

108000

EUA: Memorial em homenagem a Anne Frank é vandalizado com suásticas

107998

Petrobras vai reduzir preço dos combustíveis esta semana, diz Bolsonaro

107993

Maduro é retratado como super herói em desenho de TV estatal na Venezuela

107991

Presidente de Portugal dissolve Parlamento e convoca eleições antecipadas

107989

Mais da metade dos maiores de 18 anos consomem bebidas alcoólicas