Janeiro foi mês mais quente já registrado no mundo, afirmam cientistas

Publicado em 08/02/2024 às 16:12

Compartilhe

mundo-08-02-freepik

O Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus (C3S), agência europeia do clima, anunciou que o mês passado foi o janeiro mais quente já registrado na Terra. Esse feito marca o oitavo mês consecutivo de recordes de calor, desde junho de 2023, que foi o mês de junho mais quente já documentado. Além disso, pela primeira vez, o mundo testemunhou um período de 12 meses, de fevereiro de 2023 a janeiro de 2024, com a temperatura média excedendo 1,5°C em relação ao período pré-industrial, considerado o ponto de partida do aquecimento global.

Os cientistas do Copernicus explicam que a combinação do fenômeno El Niño com as mudanças climáticas é responsável por essa onda de calor sem precedentes. Samantha Burguess, vice-diretora da agência, alerta que a rápida redução das emissões de gases de efeito estufa é crucial para conter o aumento das temperaturas.

O calor extremo tem suas consequências. Janeiro registrou uma temperatura média global de 13,14°C, 0,70°C acima da média para o período de 1991-2020. Esse valor também é 0,12°C superior ao recorde anterior, janeiro de 2020, e 1,66°C mais alto do que a média estimada para janeiro de 1850 a 1900, período pré-industrial.

O Copernicus enfatiza que os efeitos do aumento de temperatura não se limitam apenas ao calor. O Hemisfério Norte experimentou frio extremo, com o Norte da Europa enfrentando nevascas e temperaturas de até -40°C. Essa amplitude de extremos é um sinal alarmante das mudanças climáticas em curso.

Além disso, os oceanos desempenham um papel crucial nesse cenário. Embora o El Niño tenha começado a enfraquecer em janeiro, outros oceanos permanecem excepcionalmente quentes. A previsão é de que as condições de El Niño persistam até abril ou maio, embora com menos intensidade do que no final de 2023 e início de 2024.

Um planeta mais quente significa desequilíbrios climáticos significativos. Chuvas acima da média foram registradas no Sul do Brasil e na Argentina, enquanto secas intensas afetaram áreas como o Chile, resultando em condições propícias para incêndios florestais.

Esses eventos extremos não apenas representam riscos imediatos para comunidades em todo o mundo, mas também destacam a urgência de ações globais para mitigar as mudanças climáticas. O registro contínuo de temperaturas recordes reforça a necessidade de medidas drásticas para preservar a estabilidade climática e proteger o futuro do planeta.

Fonte: Portal IG/ Foto: Freepik

Veja também

politica-17-04-ft-Lula-Marques-Agencia-Brasil

Senado aprova PEC das drogas e texto vai para Câmara dos Deputados

cultura-17-04-gov-es

Festa da resistência dos povos indígenas tem início nesta sexta-feira em Aracruz

geral-17-04-ft-div-gov-es

Bandes promove leilão do Fundap nesta quarta-feira (17) em Vitória

saude-16-04-ft-div-gov-es

Ciatox realiza mais de 10 mil atendimentos em um ano no Espírito Santo

geral-16-04-ft-gv-es

Escola de Cachoeiro de Itapemirim inicia projetos com robótica educacional

brasil-16-04-freepik

Professores universitários estão mobilizados no Rio para definir greve

geral-16-04-pmmf

Pavimentação de estradas avança em Marechal Floriano

geral-16-04-freepik-2

Começou o prazo para solicitar isenção da taxa de inscrição do Enem