Início do Auxílio Brasil é marcado por desinformação, bloqueios e filas

Publicado em 18/11/2021 às 08:20

Compartilhe

105662


source
Início do Auxílio Brasil foi marcado por desinformação, bloqueios e filas
Agência Brasil

Início do Auxílio Brasil foi marcado por desinformação, bloqueios e filas

O primeiro dia de pagamento do Auxílio Brasil, que substituiu o extinto Bolsa Família, foi marcado por filas — como as observadas nos últimos dias em todo país — e muita desinformação. Em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, Eliane Cristina da Silva, de 32 anos, moradora de Inhaúma, aguardava há mais de três horas para entrar na agência da Caixa para tentar descobrir quanto vai receber do novo programa.

“O aplicativo não funciona, no Caixa Tem não é possível ver saldo e ninguém sabe informar nada. Peguei uma senha e estou aqui esperando para entrar na agência”, explica Eliane, que é mãe de três filhos menores e é beneficiária do Bolsa Família.

“Recebia R$ 300 de Bolsa Família e tenho três crianças cadastradas, mas não sei quanto vou receber. Tentei na lotérica mas meu cartão (do Bolsa Família) está bloqueado”, reclama a mãe, que paga aluguel e tinha expectativa de receber os R$ 400 prometidos pelo governo Bolsonaro.

Esse valor, no entanto, está atrelado à aprovação da PEC dos Precatórios no Congresso. Ou seja, não há fonte de custeio para os R$ 400 prometidos. O cartão do Bolsa Família bloqueado foi o que levou Andreia Júlia da Silva Neves, de 51 anos, moradora de Guadalupe, na Zona Norte, à agência da Caixa de Rocha Miranda.

“Estou aqui desde as 7h da manhã para tentar sacar meu dinheiro, tenho o cartão do Bolsa Família, mas ele está bloqueado e o aplicativo da Caixa não funciona”, lamenta Andreia, acrescentando. “Toda vez é isso, é sempre esse descaso com o povo, as pessoas estão desmaiando na fila por causa do calor. Já são 11h30m e eu continuo aqui na fila”.

No limite

Sem saber se teria direito ao Auxílio Brasil, Maria da Penha Domingues, de 78 anos, moradora de Costa Barros, também na Zona Norte, era mais uma das pessoas na fila em Rocha Miranda. De posse de um cartão Família Carioca, ela buscava informações sobre como fazer para ter direito à renda mínima do governo federal.

Analfabeta, Maria explicou seu drama: ela vive na comunidade em Costa Barros e não recebe ajuda alguma do governo federal, nem mesmo o Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e deficientes mesmo que não tenham contribuído com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), desde que comprovem baixa renda.

“Nunca recebi Bolsa Família e sobrevivo catando latinhas, mas tem tanta gente pegando lata na rua que tem vezes que não consigo nada. Na pracinha da comunidade distribuem quentinha às vezes, tem dias que consigo pegar, mas outros não. Uma vez levei para casa e tentei dividir para comer dois dias, mas a comida acabou estragando porque não tenho geladeira”, conta.

Leia Também

Vanessa Nunes da Silva, de 39 anos e moradora de Rocha Miranda, se abrigava do sol com uma sombrinha colorida. Além de não saber quanto receberia de Auxílio Brasil, Vanessa, que é mãe de quatro filhos, teve problemas com o recebimento do Auxílio Emergencial.

“Recebi as parcelas de R$ 1.200 em 2020, só que depois, quando virou R$ 600 não consegui sacar mais. O dinheiro aparecia na conta, mas estava indisponível para retirada. Meu medo é não conseguir tirar o novo Bolsa Família, como vou dar de comer às crianças?”, questiona Vanessa.

Sem cartão novo

Procurada, a Caixa Econômica Federal informou que não foram constatadas instabilidades no aplicativo e que não será emitido novo cartão para saque do Auxílio Brasil. Portanto, o antigo plástico do Bolsa Família continua valendo. “O app está funcionando bem e os cartões do Bolsa Família não foram invalidados” informou a Caixa.

Somente vão receber o Auxílio Brasil os 14,6 milhões de pessoas que eram atendidos pelo extinto Bolsa Família, segundo o Ministério da Cidadania. Informações iniciais do governo indicavam que esse número chegaria a 17 milhões já em dezembro, mas essa previsão não foi confirmada.

Ou seja, os 2,4 milhões de pessoas que seriam incluídos no Auxílio Brasil, inclusive os que já estavam esperando na fila do Bolsa Família, terão de aguardar mais.

Para receber o Auxílio Brasil e demais programas sociais do governo federal é necessário fazer inscrição no Cadastro Único (CadÚnico), porta de entrada desses programas. A procura pelo CadÚnico tem feito, inclusive, as pessoas dormirem nas portas dos Centros de Referência e Assistência Social (CRAS) espalhados pelo país.

O Ministério da Cidadania, gestor desses programas, afirmou que “a inscrição no Cadastro Único não resulta na imediata concessão dos benefícios do Auxílio Brasil”. De acordo com a pasta, “serão priorizadas famílias a partir de critérios baseados num conjunto de indicadores sociais capazes de estabelecer com mais precisão as situações de vulnerabilidade social e econômica”.

Veja também

107945

Ministro Rogério Marinho será ouvido no Senado sobre emendas de relator

© Pedro Souza/Atlético/Direitos Reservados

Já campeão, Atlético-MG recebe Bragantino em reencontro com torcida

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos