Governo registra prejuízo recorde de R$ 39,4 bilhões em novembro

Publicado em 28/12/2023 às 08:58

Compartilhe

brasil-28-12-Valter-Campanato-Agencia-Brasil

O governo federal registrou um déficit primário recorde de R$ 39,4 bilhões em novembro, conforme divulgado pelo Tesouro Nacional nesta quarta-feira (27). Este número é resultado do Banco Central (BC) e o Tesouro Nacional apresentando um desempenho negativo de R$ 19,8 bilhões, além de um déficit de R$ 19,6 bilhões na Previdência Social. No acumulado de janeiro a novembro, o déficit atingiu a marca de R$ 114,6 bilhões.

Esse é o pior resultado para o mês desde o início da série histórica em 1997, destacando-se como o maior déficit acumulado já registrado. 

O recorde negativo se deve principalmente a pagamentos extraordinários destinados a estados e municípios , decorrentes da Lei Complementar 201, das compensações devidas pela União.

De acordo com relatórios, embora a receita tenha crescido 4,2% no mês passado, as despesas aumentaram em 20%, impulsionadas pelo crescimento dos gastos com a máquina pública.

As projeções do Tesouro Nacional indicam que o governo central deverá encerrar o ano com um déficit primário de R$ 125 bilhões.

Entenda as compensações aos estados

O Tesouro Nacional precisou compensar estados e municípios após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) contra uma medida adotada durante o governo Bolsonaro, aprovada pelo Congresso, que reduziu as alíquotas de ICMS.

As perdas ocorreram devido ao estabelecimento de um teto de 17% na alíquota desse imposto sobre os combustíveis. Considerando que o ICMS é um tributo estadual, os estados alegaram perdas substanciais de receita e invasão de autonomia pelo Congresso Nacional.

No governo Lula, um acordo entre União e estados, homologado pelo Supremo em junho, previa o pagamento total de R$ 27,5 bilhões. Embora a quitação pudesse ocorrer em até três anos, o prazo foi reduzido após apelos dos estados e, especialmente, dos municípios.

A redução do ICMS sobre os combustíveis foi uma das prioridades do ex-presidente Jair Bolsonaro no ano anterior. Antes, havia alíquotas de 34% sobre combustíveis, energia, telecomunicações e transporte coletivo. Com o limite de 17%, a expectativa era aliviar a inflação às vésperas das eleições e angariar votos.

Fonte: Portal IG/ Foto: Valter Campanato

Veja também

geral-15-04-ft-GOV-FAB

FAB diz estar de prontidão para resgatar brasileiros no Oriente Médio

geral-15-04-ft-reproducao

Inmet emite alerta de ciclone extratropical e chuva intensa no sul do Brasil

geral-15-04-ft-Agencia-Brasil

Terceiro lote do abono salarial PIS/Pasep é pago nesta segunda-feira

agro-15-04-Tatiana-Caus-Incaper

Jardim Clonal Superadensado de Marilândia é exemplo de como plantar mais em espaço reduzido

chagas

Brasil investe em pesquisa e luta pela sua eliminação como problema de saúde pública

futebol-nas-montanhas

Hoje a bola rola para 3ª rodada do Campeonato Intermunicipal de Futebol Masculino nas montanhas

cafe

No Dia Mundial do Café, conheça curiosidades da segunda bebida mais consumida no mundo

arroz

Conheça as principais diferenças nutricionais de três tipos de arroz