Governo liberou verba do orçamento secreto mesmo após liminar do STF

Publicado em 10/11/2021 às 13:50

Compartilhe

104344


source
Palácio do Planalto liberou R$ 5,3 milhões na última segunda-feira (8)
Valter Campanato/ Agência Brasil

Palácio do Planalto liberou R$ 5,3 milhões na última segunda-feira (8)

O governo federal não cumpriu a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de congelar gastos do Orçamento Secreto e empenhou R$ 5,4 milhões mesmo após a liminar deferida pela ministra Rosa Weber. É o que aponta dados apurados pela revista Piauí e confirmados pelo iG.

Segundo a reportagem, o Ministério de Desenvolvimento Regional empenhou o valor no último dia 8 de novembro, após a decisão do STF, para bancar materiais para obras em municípios de dez estados. O valor é uma moeda de troca  para aprovação da PEC dos Precatórios.

De acordo com o Tesouro Nacional, as emendas liberadas foram destinadas para terraplanagem e pavimentação para a empresa XCMG Brasil, em Pouso Alegre (MG). Além dos R$ 5,4 milhões empenhados nesta semana, a empresa já recebeu R$ 163 milhões do governo federal em 2021.

A liminar do STF foi publicada na última segunda-feira (8), após pedidos dos partidos Cidadania, PSOL e PSB contra o uso da verba para conseguir votos favoráveis à proposta que cria teto de gastos para dívidas judiciais. Durante a semana de negociações, o Palácio do Planalto liberou cerca de R$ 1,3 bilhão para parlamentares destinarem aos seus redutos eleitorais.

Leia Também

Em plenário virtual, o STF formou maioria para proibir o uso das verbas pelo governo federal. Até o momento, sete ministros (Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Luiz Fux) votaram para manter o bloqueio das verbas, enquanto outros dois (Gilmar Mendes e Kássio Nunes Marques) foram contrários a medida.

Em nota, o Tesouro Nacional disse que aguarda a decisão definitiva da Suprema Corte para saber o que será feito com as emendas já empenhadas. O Tesouro negou que os gastos são feitos de forma centralizada pelo governo e ressaltou que as verbas são de responsabilidade dos ministérios.

O Ministério do Desenvolvimento Regional disse, também em nota, disse não ter descumprido a determinação do STF. A pasta disse ter liberado a verba no dia 5 de novembro, antes da liminar do Supremo.

Veja também

© Leonardo Moreira/FEC/Direitos Reservados

Fortaleza se classifica para sua primeira Libertadores

© Marcelo Cortes/Flamengo/Direitos Reservados

Vice-campeão Flamengo empata com rebaixado Sport em Recife

© José Tramontina/athletico.com.br/Direitos Reservados

Athletico-PR derrota Cuiabá na Arena da Baixada e se afasta do Z4

107879

Comissão da Câmara faz audiência na quarta sobre piso para enfermagem

© 28/10/2021_Fernando Frazão/Agência Brasil

Covid-19: estado do Rio está com risco muito baixo pela segunda semana

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

Covid-19: Brasil registra 22 milhões de casos e 615,4 mil óbitos

© Carol Morelli/Arquivo Pessoal

Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master

107871

Morre Gulliver, primeiro cachorro de William Bonner e Fátima Bernardes