Fora recursos voltados à Covid, orçamento da Saúde em 2022 é o menor em 10 anos

Publicado em 18/11/2021 às 14:50

Compartilhe

105737


source
Verba destinada ao Ministério da Saúde em 2022 será a menor em 10 anos; números não consideram recursos voltados à Covid
Fred Casagrande/Prefeitura de Praia Gande

Verba destinada ao Ministério da Saúde em 2022 será a menor em 10 anos; números não consideram recursos voltados à Covid

Os recursos previstos para o Ministério da Saúde em 2022 são os menores desde 2012. A pasta apresenta a menor participação no Orçamento da União nos últimos dez anos, e seus investimentos acabam ficando à mercê de emendas parlamentares. Os dados são do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e não consideram os gastos destinados ao combate à pandemia.

O estudo tem como base o Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2022 (LOA), enviado ao Congresso Nacional em agosto. Em valores reais, a proposta para a Saúde cresceu 1% (cerca de R$ 1,4 bilhões), em relação à deste ano. Os investimentos previstos são de R$ 147,4 bilhões. Sem os recursos voltados à Covid-19, no entanto, caem para R$ 140 bilhões, “valor substancialmente menor à proposta de orçamento de todos os anos entre 2012 e 2021”.

Recursos destinados à vacina contra a Covid-19 podem ser insuficientes

A compra de vacinas contra a Covid-19 no ano que vem pode ser insuficiente, “caso haja necessidade de atualização da imunização”. A proposta enviada pelo governo Bolsonaro ao Congresso prevê R$ 3,9 bilhões para a aquisição dos imunizantes em 2022. Neste ano, o Orçamento aprovado era de R$ 6,9 bilhões.

Na última terça-feira (16), o  Ministério da Saúde aprovou a aplicação da 3ª dose da vacina para todos os adultos com mais de 18 anos no país. A medida, entretanto, ainda não conta com respaldo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) .

Leia Também

Distribuição de recursos

No período de 2013 a 2022, houve uma redução de 77% (R$ 9,2 bilhões para R$ 2,1 bilhões) na verba destinada à Saúde. Para o ano que vem, apenas 3,19% dos recursos federais seriam destinados para a área.

Os investimentos são impulsionados por emendas parlamentares, que não estão previstas na LOA e também não são uma certeza, já que dependem de decisões políticas. Entre o ano passado e este ano, 70% dos recursos do Ministério da Saúde foram oriundos dessa fonte de dinheiro. 

Em comparação com 2021, a verba de natureza obrigatória – que abrange, sobretudo, procedimentos de alta e média complexidade, piso da atenção primária, benefícios, aposentadorias e pensões, assistência farmacêutica e vigilância em saúde – cresceram 2,6%, ou R$ 3,1 bilhões, e alcançaram 82% da proposta de orçamento, ou R$ 120,9 bilhões. 

Ainda assim, 5,5% desses gastos correspondem ao valor destinado ao combate da pandemia, o que evidencia uma redução em outras despesas obrigatórias direcionada, sobretudo, a salários, aposentadorias e outros benefícios de servidores.

Veja também

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele