Fatores climáticos influenciarão a produção do agro em 2024

Publicado em 31/12/2023 às 13:26

Compartilhe

Fatores-climaticos-influenciarao-a-producao-do-agro-em-2024

O segundo semestre de 2023 contou com instabilidades climáticas constantes no território brasileiro. Fortes chuvas na região sul, ondas de calor superando 40 graus em diversos estados brasileiros; todas as situações sob influência do fenômeno El Ninõ. Os impactos dessas variações no clima atingiram diretamente o agronegócio no país.

Para 2024, o cenário climático continuará a ditar as regras de como o setor se desenvolverá ao longo do novo ano. No entanto, a tendência para a próxima safra é de crescimento, em comparação com a safra do ano passado. Segundo dados do time de inteligência e consultoria da Biond Agro, empresa brasileira de gestão e comercialização de grãos. Em referência à safra de soja, a expectativa de colheita para a cultura é acima de 153 milhões de toneladas, marca alcançada pelo país em 2022.

“Nossos dados indicam para o mês de dezembro uma colheita de 156,7 milhões de toneladas de soja, esse número já foi revisado para baixo em duas ocasiões. Para 2024, prevemos um crescimento de aproximadamente três milhões de toneladas. O número reflete as complexidades na execução da cultura, visto que desenvolvimento na infraestrutura do brasil cresce a um ritmo bem menor do que a produtividade da indústria”, comenta Felipe Jordy, coordenador de inteligência e consultoria da Biond Agro.

Já no caso do milho, a situação é mais complexa de prever. A principal safra de referência na cultura do grão refere-se ao milho safrinha que é plantado logo depois da colheita da soja. Contudo, as expectativas também sugerem que a safra poderá sofrer por conta do clima em sua janela produtiva, causando recortes na sua estimativa.

Seca no Centro-Oeste e recomposição de estoque no mundo

O clima segue sendo o principal vilão do agro brasileiro. Especialmente no Centro-Oeste, o índice de seca persiste piorando e registrando valores maiores que o histórico. No Mato Grosso, por exemplo, as regiões de Sinop, Sorriso, Alto Araguaia e Campo Novo do Parecis seguem alocados em seca severa ou extrema.

Para um bom plantio, é necessário um solo úmido e boas chuvas na primeira fase de desenvolvimento da planta. Entretanto, não estão acontecendo registros regulares de chuva em todo o país. É necessário estabilidade climática e chuvas regulares para que a planta possa recuperar parte do potencial.

“Seria ideal que com a chegada da colheita, o bom clima acompanhasse as lavouras nas fazendas, desenvolvendo normalmente as plantações e assim as mercadorias possam ser escoadas sem grandes dificuldades para os portos”, afirma Jordy.

Já o cenário mundial para 2024 é de recomposição dos estoques de produtos. É possível prever boas recuperações na oferta da região da Argentina, saindo de uma colheita de 25 milhões de toneladas, para uma produção mais normal, de cerca de 50 milhões de toneladas de soja, tendo o milho a mesma situação.

“Tudo isso acontecendo em um cenário onde a demanda pelos produtos parece retornar a uma curva de crescimento normal, principalmente se olharmos o comportamento da China. Nesse contexto, o cenário de preços deveria ter um sustento nos níveis atuais e veríamos os atores da cadeia se focando principalmente na colheita e execução”, finaliza Felipe.

Fonte: Agência Contatto

Veja também

geral-15-04-Divulgacao-Adufes

Ufes amanhece com os portões fechados por greve dos professores

mundo-15-04-Reproducao-Ansa

Série de terremotos provoca pânico no sul da Itália

geral-15-04-ft-GOV-FAB

FAB diz estar de prontidão para resgatar brasileiros no Oriente Médio

geral-15-04-ft-reproducao

Inmet emite alerta de ciclone extratropical e chuva intensa no sul do Brasil

geral-15-04-ft-Agencia-Brasil

Terceiro lote do abono salarial PIS/Pasep é pago nesta segunda-feira

agro-15-04-Tatiana-Caus-Incaper

Jardim Clonal Superadensado de Marilândia é exemplo de como plantar mais em espaço reduzido

chagas

Brasil investe em pesquisa e luta pela sua eliminação como problema de saúde pública

futebol-nas-montanhas

Hoje a bola rola para 3ª rodada do Campeonato Intermunicipal de Futebol Masculino nas montanhas