Espécies raras de cobras são redescobertas no Espírito Santo depois de décadas

Publicado em 04/03/2024 às 14:03

Compartilhe

Drymoluber-brazili_ThiagoMarcial-capa-2

Duas espécies raras de cobras foram encontradas novamente no Espírito Santo após um longo período de ausência. A revelação está no estudo publicado na revista “Check List”, no último dia 27 de fevereiro, pelos biólogos Rafael Scherrer Mathielo, Diego Henrique Santiago, Thiago Marcial de Castro e pela pesquisadora Flávia Chaves, vinculada ao Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA). Apostolepis longicaudata e Drymoluber brazili não eram avistadas no Espírito Santo por décadas e foram novamente registradas em 2016 e 2018, nos municípios de Jaguaré e Barra de São Francisco, respectivamente.

O primeiro e, até recentemente, único registro de A. longicaudata para o Espírito Santo foi feito no município de Sooretama, em 1950. Já D. brazili teve dois registros no município de Baixo Guandu, em 1933 e 1934. Depois disso, houve ainda um terceiro registro, no município de Colatina, em 1974.

Os pesquisadores indicam que a raridade de Apostolepis longicaudata está atribuída à qualidade dos remanescentes florestais. Já para Drymoluber brazili, espécie que prefere áreas abertas e tem ocorrência no Cerrado, a explicação para ser encontrada no Espírito Santo é o limite da região de ocorrência da espécie. Ambas espécies tendem a ser naturalmente raras mesmo em seus limites de distribuição geográfica. “Esses registros recentes reforçam a importância da pesquisa científica na identificação e monitoramento de espécies ameaçadas, fornecendo dados valiosos para a conservação da biodiversidade local”, destaca Flávia.

“A redescoberta de Drymoluber brazili, que tem preferência por habitats abertos, revelou uma possível adaptação ao desmatamento humano feito na Mata Atlântica, enquanto a presença de Apostolepis longicaudata evidencia a importância dos remanescentes florestais para a conservação da biodiversidade”, explica a pesquisadora do INMA.

A pesquisa aponta para a necessidade de estudos adicionais sobre ecologia, biologia e distribuição geográfica dessas espécies, visando à elaboração de estratégias eficazes de conservação. “Compreender as causas da raridade é fundamental para a conservação dessas espécies e para saber o nível de ameaça em que se encontram. Para isso, é necessário implementar medidas de conservação, como a criação de unidades de conservação que possam proteger os habitats dessas cobras e garantir sua sobrevivência.”

Link para o artigo: https://checklist.pensoft.net/article/113384/

Fonte: Revista Check List/ Fotos: Thiago Marcial de Castro

Veja também

prefeitura-de-marechal

Prefeitura de Marechal Floriano realiza audiência pública para apresentação Lei orçamentária de 2025

mundo-24-04-ft-JIM-WATSON

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia nas próximas horas

politica-24-04-freepik-arma

Projeto quer estabelecer multa para crimes com arma de fogo

agro-24-04-ft-Arquivo-Paulo-Cordeiro

Agricultores familiares acessam políticas públicas de comercialização e melhoram renda com apoio do Incaper

geral-24-04-ft-div

Projeto Jovem Perito da Polícia Científica está com agenda de 2024 aberta

saude-24-04-ft-freepik

Lacen confirma circulação de Febre do Oropouche no Espírito Santo

geral-23-04-Foto-Osvaldo-Paula-Galote-Junior

Dia Mundial do Livro: leitura transformou a vida de um jovem em Domingos Martins

geral-23-04-ft-div

Programa Acredita começa hoje e prevê facilidade aos MEIs em negociação de dívidas