Embargo chinês à carne bovina deve ter impacto de 2%, diz Ministério

Publicado em 15/12/2021 às 14:20

Compartilhe

109231


source
Ministério da Agricultura acredita que impacto do embargo chinês à carne brasileira não deve ser superior a 2%
Foto: Agência Brasil/Arquivo

Ministério da Agricultura acredita que impacto do embargo chinês à carne brasileira não deve ser superior a 2%

O fim do embargo chinês à compra de carne bovina brasileira,  cujas exportações foram  suspensas por três meses devido ao registro de casos pontuais da doença da vaca louca, foi comemorado pelo governo brasileiro. O Ministério da Agricultura estima que o impacto no resultado comercial, caso apresente alguma diferença, não será superior a 2%.

“Ano passado, nós exportamos para o mundo pouco mais de US$ 8 bilhões em carne bovina, e cerca de US$ 4 bilhões foram para a China. Neste ano, o resultado seria parecido. A gente acredita que, se houver alguma diferença, não será superior a 2%”, afirmou Orlando Leite Ribeiro, secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura.

A explicação é que, apesar da interrupção pontual nas vendas para o maior comprador de carne bovina brasileira, o país conseguiu exportar para outros parceiros, como os Estados Unidos.

No entanto, entidades ligadas ao agronegócio e ao comércio exterior estimam que o embargo chinês à carne brasileira tenha causado prejuízo de cerca de US$ 2 bilhões.

Leia Também

O veto à carne bovina do Brasil começou em 4 de setembro e foi removido apenas nesta quarta-feira.

A suspensão dos embarques para a China foi decidida pelo próprio governo brasileiro, depois do registro de dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), mais conhecida como vaca louca, em Minas Gerais e Mato Grosso.

De acordo com a pasta, o fim do embargo é resultado de intensa negociação técnica entre os dois países.

“A noticia de hoje é que retomamos o fluxo normal de exportações para a China após esse período de negociações. Tivemos negociação bastante técnica. É uma boa notícia para o setor, porque é o principal destino de exportação de carne bovina brasileira e voltamos a situação que estávamos antes dessa suspensão que ocorreu”, afirmou José Guilherme Leal, secretário de Defesa Agropecuária da pasta.

Os próximos passos, de acordo com o secretário, envolvem a orientação dos exportadores brasileiros. O acerto com a China é de que o país comprará a carne que já foi produzida no país, ainda que durante o embargo. A exigência é que o certificado sanitário seja emitido a partir deste 15 de dezembro.

Veja também

113113

Investigação aponta que judeu denunciou a família de Anne Frank

113111

Técnica diz que foi orientada a aplicar vacinas que iriam vencer

© José Cruz/Agência Brasil

DF inicia vacinação itinerante de crianças contra covid-19

113107

Pacheco quer votar projeto sobre ICMS dos combustíveis em fevereiro

113105

Mulher morre ao tentar salvar cães de tsunami em Tonga

© José Cruz/Agência Brasil

Crianças sem comorbidades podem se inscrever para xepa de vacina em SP

113100

Banco do Brasil realiza leilão de imóveis a partir de R$ 13 mil

© Lucas Figueiredo/CBF/Direitos Reservados

Primeira fase da Copa do Brasil tem confrontos definidos por sorteio