Duas pessoas são mortas durante protestos contra golpe militar no Sudão

Publicado em 30/10/2021 às 15:20

Compartilhe

102871


source
Duas pessoas são mortas durante protestos contra golpe militar no Sudão
Reprodução

Duas pessoas são mortas durante protestos contra golpe militar no Sudão

Forças militares mataram duas pessoas a tiros durante protestos nacionais no  Sudão neste sábado (30), informou um comitê de médicos. Centenas de milhares de pessoas exigiram a restauração do governo liderado por civis após um golpe militar.

O Comitê Central de Médicos Sudaneses afirmou que dois manifestantes foram mortos a tiros pelas tropas na cidade gêmea da capital Cartum, Omdurmã, durante protestos. Uma testemunha em Omdurmã disse que ouviu barulho de tiros e viu pessoas sangrando sendo carregadas na direção do prédio do Parlamento.

Um representante do Exército do Sudão não estava disponível para comentar o relato sobre as mortes.Manifestantes carregaram bandeiras do Sudão e cantaram “governo militar não pode ser elogiado” e “este país é nosso e nosso governo é civil”, enquanto marchavam em bairros ao redor de Cartum.

Milhares de sudaneses já haviam se manifestado esta semana contra a deposição do primeiro-ministro, Abdallah Hamdok, na segunda-feira (25) pelo general Abdel Fattah al-Burhan, em um golpe que levou nações ocidentais a congelarem centenas de milhões de dólares em assistência financeira.

Fonte: IG Mundo

Veja também

107714

Cumbre Vieja: mais de 6 mil pessoas ficam desabrigadas por conta das erupções

107712

Alemanha: Merkel se despede após 16 anos como chanceler

107710

Polícia prende homem que estava armado em frente à sede da ONU nos EUA

© Raquel Portugal/FioCruz

Boletim da Fiocruz sinaliza aumento de casos de SRAG em 13 estados

© NIAID

Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil

© NIAID

País segue tendência estável de transmissão da covid-19

© Arquivo/Gilberto Marques/Governo do Estado de São Paulo

Rio monta estrutura extra para atender casos de gripe

107700

Auxílio gás e Alimenta Brasil são regulamentados por Bolsonaro