Covid-19: São Paulo começa aplicar amanhã dose adicional em adultos

Publicado em 17/11/2021 às 16:50

Compartilhe

© Myke Sena/MS


O governo do estado de São Paulo anunciou que iniciará amanhã (18) a aplicação da dose adicional da vacina contra a covid-19 em toda a população adulta. O imunizante será aplicado em todos as pessoas com mais de 18 anos, que tomaram a segunda dose da vacina há pelo menos cinco meses. Segundo o governo, 710 mil pessoas em todo o estado estão aptas a receber a dose adicional a partir desta quinta-feira.

“Neste momento, podem se vacinar quem tomou a segunda dose entre janeiro e junho, pois já estão com intervalo de cinco meses. Assim, em dezembro, quem tomou a segunda dose em julho já poderá receber a dose adicional”, disse a coordenadora do Programa Estadual de Imunização do estado de São Paulo, Regiane de Paula.

No estado, o imunizante para a dose de reforço será aquele que estiver disponível no posto de saúde: Pfizer, CoronaVac ou AstraZeneca, independentemente de qual vacina a pessoa tenha recebido como primeira ou segunda dose, com exceção de quem tomou a vacina da Janssen.

“Quem tomou a dose única da vacina da Janssen deverá tomar uma segunda dose após oito semanas e, após cinco meses de completar o ciclo vacinal, já poderá receber a dose de reforço. O estado de São Paulo, porém, não conta com estoque deste imunizante e aguarda o envio de doses do Ministério da Saúde para definir a adesão às novas diretrizes com relação a esta vacina”, destacou o governo, em nota.

Até hoje, a dose adicional era recomendada apenas a quem tinha mais de 60 anos de idade, aos profissionais da saúde e pessoas imunossuprimidas, após um intervalo de seis meses da segunda dose. Até o momento, 3,6 milhões de pessoas já tomaram a dose adicional.

Internações

O governo de São Paulo informou ainda que 37 hospitais estaduais já não têm mais pacientes de covid-19. Eles correspondem a 56% das unidades que receberam os pacientes infectados pelo coronavírus no decorrer da pandemia. Segundo o governo, com a queda de 92% das internações no estado, esses hospitais já estão sendo direcionadas para atendimentos de outras doenças.

Apesar da queda nas internações, a coordenadora do PEI reforçou a importância da população completar o ciclo vacinal para garantir a imunização contra a doença. São Paulo ainda tem 4,9 milhões de pessoas que precisam tomar a segunda dose da vacina: 2,8 milhões de doses da Pfizer; 1,1 milhão de AstraZeneca e 895,1 mil de CoronaVac.

“É fundamental ressaltar que apenas com o esquema vacinal completo a população estará protegida. Estamos intensificando a comunicação com as prefeituras e com a população buscando conscientizar sobre a necessidade de completar o esquema vacinal. O maior número de faltosos está entre os adolescentes que não retornaram aos postos para a vacinação”, alertou Regiane.

Máscaras

O coordenador do Comitê Científico de combate à covid-19 no estado de São Paulo, Paulo Menezes, afirmou que o estado deverá anunciar a liberação do uso obrigatório de máscaras em espaços públicos em até 20 dias. “Vamos ter que caminhar mais um pouco. Nós estamos reduzindo os indicadores de internações, casos e óbitos e é provável que, nos próximos dez a vinte dias, a gente tenha uma situação que permita essa liberação. Com avanço da vacinação, já temos 73% da população adulta com cobertura completa”, disse.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

Veja também

© Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

Seleção feminina encerra temporada com título do Torneio de Manaus

© Samara Miranda/Remo/Direitos Reservados

Copa Verde: Paysandu e Remo empatam em clássico de tempos distintos

© Reuters/Carlos Osorio/Direitos Reservados

Pfizer: 1 milhão de doses chegam ao Brasil hoje

107575

Mega-Sena sorteia R$ 11 milhões nesta quarta; confira as dezenas

107573

EUA têm 10 milhões de vagas, mas não despertam interesse; entenda o porquê

© Edilson Rodrigues/Agência Senado

Plenário do Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

© ONU/Unaids/Divulgação

Atos no Rio marcam Dia Mundial de Luta contra a Aids

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Anvisa defende transparência e cooperação entre agências reguladoras