Conversão de 5% das pastagens em plantações poderia dobrar produção de biocombustíveis, aponta estudo

Publicado em 04/06/2023 às 18:39

Compartilhe

Conversao-de-5-das-pastagens-em-plantacoes-poderia-dobrar-producao-de-biocombustiveis-aponta-estudo

A produção de biocombustíveis no Brasil, Argentina, Colômbia e Guatemala é energeticamente sustentável e contribui para reduções significativas em emissões de gases do efeito estufa. Além disso, se algo em torno de 5% das terras usadas em pastagens fossem convertidas em plantações de cana-de-açúcar e outras biomassas, a produção de biocombustíveis nesses países poderia dobrar. Essas são algumas das conclusões do estudo “Biofuels in Emerging Markets: Potential for sustainable production and consumption”, produzido pelo Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN) como parte das suas atividades em cooperação com a Força-Tarefa de Descarbonização do Transporte da Agência Internacional de Energia (IEA).

Os dados foram apresentados durante seminário on-line promovido pelo programa IEA Bioenergy e pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido), ocorrido nos dias 22 e 23 de maio. “Avaliamos as opções para o aumento da produção de biocombustíveis em mercados emergentes da América Latina e identificamos que a conversão de pequenas áreas de pastagens, entre 0,1% e 10%, poderia ser suficiente para dobrar a produção de biocombustíveis. Esse aumento na produção é bem-vindo, uma vez que a demanda também é alta”, afirmou Glaucia Mendes Souza, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP) e membro da coordenação do BIOEN, durante a apresentação.

Além disso, se os créditos de carbono de 1 tonelada de emissões de dióxido de carbono evitadas fossem vendidos a US$ 10, por exemplo, produtores de biocombustíveis da América Latina poderiam adicionar US$ 600 milhões por ano aos seus lucros, valor baseado na produção desses países de 2019. “Isso poderia estimular inovação e novos usos para a biomassa”, contou a pesquisadora.

O estudo mostra ainda que políticas públicas voltadas a uma economia de baixo carbono deveriam ser consideradas para estimular a produção de biocombustíveis e recompensar o esforço atual alcançado por essa fonte energética, que está reduzindo 63,8 milhões de toneladas de carbono equivalente por ano nos quatro países do estudo. Tanto o etanol quanto o biodiesel, aponta o trabalho, são economicamente viáveis, mesmo que altamente sensíveis aos preços das matérias-primas.

Dados se referem a Brasil, Argentina, Colômbia e Guatemala e foram apresentados pelo programa BIOEN-FAPESP durante seminário promovido pela Agência Internacional de Energia (Foto: Voggacom/Pixabay)

Fonte: Agência Fapesp

Veja também

Drymoluber-brazili_ThiagoMarcial-capa-2

Espécies raras de cobras são redescobertas no Espírito Santo depois de décadas

agro-04-03-incaper

Incaper e parceiros vão promover eventos para valorização e empoderamento da mulher rural

capa-coluna-vida-saudavel

Epidemia de obesidade afeta mais de 62,6% das mulheres no Brasil

mundo-04-03-Divulgacao-UNRWA

Israel aceita acordo de cessar-fogo por seis semanas, diz EUA

policia-04-03-Ayrton-Freire-Inter-TV-Cabugi

Fugitivos de Mossoró invadem galpão de fazenda e polícia faz cerco

dengue-ms

Espírito Santo recebe lançamento de campanha nacional contra a dengue

cafe-conefora

Café canéfora tem zoneamento de risco climático atualizado

agropecuaria

Crescimento da economia brasileira é impulsionado pela alta de 15% da agropecuária em 2023